Marcelo e Alexandrino dizem que Edinho pegou R$ 35 milhões para comprar apoio para Dilma Roussef no pleito de 2014

Veja diz que ela pegou dinheiro sujo para se eleger em 2014.

Em uma reunião em 2014 com Marcelo Odebrecht, à época presidente da maior construtora do país, e Alexandrino Alencar, então diretor de Relações Institucionais da empreiteira, o tesoureiro da campanha de Dilma Rousseff à reeleição, Edinho Silva (PT), foi claro: precisava de 35 milhões de reais para garantir a adesão de cinco partidos à chapa da petista e, assim, conquistar dois minutos e 59 segundos de propaganda eleitoral na televisão. A divisão foi feita de forma igualitária, 7 milhões de reais para cada sigla (Pros, PCdoB, PRB, PDT e PP).  

A informação é da revista Veja deste final de semana, que publica reportagem especial sobre o acerto entre a Odebrecht e o PT.

Tudo consta do acordo de delação premiada dos dois executivos, homologado na semana passada., e que começou a vazar.

A revelação deve complicar ainda mais a situação de Dilma Roussef no Tribunal Superior Eleitoral, na ação que analisa precisamente se houve abuso de poder político e econômico na eleição de 2014.