Indústria não gostou da mudança da política de conteúdo local na área do petróleo

Nesta reportagem da Agência Brasil, os jornalistas Paulo Victor Chagas e Sabrina Craide contam que os novos índices apresentados nesta quarta-feira pelo governo para o conteúdo local no setor de petróleo e gás foram considerados "péssimos" pelo setor industrial. 

Leia a reportagem:

Segundo o presidente do Conselho de Óleo e Gás da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Cesar Prata, a indústria pediu encarecidamente que o governo não definisse índices globais de conteúdo local, e separasse índices específicos para o setor de serviços e para a aquisição de bens. "O governo ignorou o nosso pleito e colocou índices globais em tudo", criticou.

Segundo Prata, o maior problema é a definição de 25% de conteúdo local para as plataformas. Atualmente, esse índice é de 65%, mas o setor aceitava reduzir para 40%, com separação entre serviços e materiais. "O governo não só reduziu esse índice para 25%, mas deixou um índice global. Isso é péssimo". Pela estimativa da Abimaq, esse índice deverá ser consumido apenas com serviços, não abrangendo produtos industriais e de engenharia. "Para nós, empresários, significa que vamos ter que diminuir ainda mais de tamanho, vamos ter que demitir mais", disse Prata à Agência Brasil.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

13 comentários:

Anônimo disse...

Isto se chama choque de COMPETITIVIDADE. O empresariado para manter-se na ativa terao q investir em processos, qualidade e maquinario. Cortw de pessoas nao resolve tudo.

Anônimo disse...

apoiaram o governo entreguista......tomaram no fiofó.....

Anônimo disse...

Ué! Mas aquelas teorias de eficiência serve somente para o serviço público?
A iniciativa privada precisa de um campinho (reserva de mercado) pra chamar de seu?
É isso?

Anônimo disse...

Claro o traira, junto com o PSDB está entregando setores estratégicos de graça para empresas estrangeiras, onde as empresas brasileiras poderiam operar, seja, mais dividas para o pais e mais empregos.

Vão lá na europa e nos eua, olha se os governo não protege suas empresas, inclusive com fortes subsídios.

Mas, os empresários abraçaram o golpe com a traíra de olhos fechados, agora estão sentindo na própria carne. Achavam que ia melhorar para eles, porém piorou.

Anônimo disse...

sao idiotas, pq nao sao machos de furarem os proprios póços ?

Anônimo disse...

Ou nossos empresários mostram competência ou virarão empregados de outros, acabaram as mamatas pixulequentas e do BNDES que enriqueceram literais bandidos, tudo regado com dinheiro de nossos impostos.

Anônimo disse...

Esse é o capitalista brasileiro, só sobrevive as custas do dinheiro público e com reserva de mercado.

Anônimo disse...

Será que está aí o motivo do desembarque do Serra do governo Temer. Muitos contrários a essa mudança atribuem ao Serra o compromisso com as petroleiras internacionais essa mudança. Serviço feito e mercadoria entregue.

Anônimo disse...

Para outros empresários, concorrência. Para a "turma do petróleo", reserva de mercado. E a PETROBRAS que pague a conta, e como o governo federal é acionista, recebe menos dividendos, e a sociedade paga mais impostos para compensar.
No que deu a reserva nacional de informática? Nada, ficamos usando equipamentos defasados e pagando mais caro.
Esse é o tipo de política, junto como famigerado BNDES que propicia os Lulas da vida.

Anônimo disse...

agora , só agora, seu Polibio, entendi pq tanta gente apoia o monopolio da Petrobras, e' que esse trensinho da alegria esta muito grande, nao?

Anônimo disse...

Os paises de primeiro mundo protegem suas empresas nacionais com subsídios, sobretaxam as empresas que competem com as suas.

Agora, aqui no Brasil os "moralistas de plantão" querem que as empresas brasileiras duelem taco-a-taco com as empresas estrangeiras.

Moral: vai aumentar o desemprego e diminuir a economia.

Anônimo disse...

MELHOR AMIGO DE TEMER DELATA ELISEU PADILHA:

23/02/2017 - Brasil 247

O empresário José Yunes, melhor amigo e parceiro de Michel Temer, decidiu delatar Eliseu Padilha, ministro da Casa Civil; em entrevista à revista Veja ele usou uma expressão típica do tráfico de drogas e disse que "foi mula" de Padilha; Yunes, que era assessor especial da presidência da República, foi delatado pela Odebrecht por receber R$ 4 milhões em seu escritório; com a entrevista deste fim de semana, ele tenta limpar a sua barra e joga a bomba no colo de Padilha, que se torna insustentável no comando da Casa Civil; mula é aquele que, conscientemente ou não, transporta drogas para outra pessoa; antes de delatar Padilha, Yunes visitou Temer no Planalto....

Anônimo disse...

Se o petróleo que vai ser vendido foi extradido por uma plataforma coreana não importa o que precisamos é vender o petróleo para pagar a dívida/rombo que o PT fez na Petrobras.
Lembrando que em 2002 a Petrobras produzia 2 milhoes de barris diariamente, hoje 17 anos depois, com uma dívidade de 500 Bilhões produzimos apenas 2,3 milhões. Qual foi a vantagem do pré-sal para o Brasil????