Uruguaiana busca alternativas para gerir UPA

O município de Uruguaiana, na Fronteira Oeste do RS, não difere da situação da esmagadora maioria das prefeituras gaúchas. Enfrentando uma gravíssima crise financeira, com dívidas que ultrapassam R$ 182 milhões e uma folha de pagamentos que consome 64% da receita, a administração busca apoio e alternativas para gerir os serviços básicos à população.

O editor conversou esta tarde com o deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS), que alertou que “o endividamento de Uruguaiana é um dos maiores do Estado, com um comprometimento da folha que ultrapassa os limites prudencial e legal”.

A situação inviabilizou a manutenção da Unidade de Pronto Atendimento e uma das alternativas para não cessar a prestação dos serviços médicos é transformar a UPA num segundo polo de saúde.

Goergen informou ter sido acionado pelo prefeito Ronnie Mello para obter, do ministro da Saúde, Ricardo Barros, a doação, ao município, da estrutura da Unidade ou, como última alternativa, que a dívida de R$ 2 milhões contraída pela prefeitura junto à União possa ser paga em dez anos.

Conforme o parlamentar, Mello também pleiteia ao governo do Estado a doação dos equipamentos que estão no local.