Opinião do editor - Manifesto dos zumbis defende Estado Máximo no RS

Intelectuais, cientistas e artistas, quase todos ligados ao PT ou a esquerda de outros Partidos, inclusive PMDB, divulgarão nesta segunda, às 18h, no Chalé da Praça XV, uma carta aberta ao governador José Ivo Sartori. Ele pedirá a suspensão da extinção das nove fundações já aprovada pela Assembléia e defenderá a criação de um fórum de diálogo com a sociedade e especialistas. É proposta fora de hora, conhecida, de quem quer ganhar tempo, não resolver nada e impedir avanços ainda maiores, alguns dos quais, mais profundos, estão sob exame da Assembléia. Sem comprovar nada, os signatários avaliam que os motivos financeiros alegados pelo Palácio Piratini são insuficientes para justificar a medida, que causaria prejuízos ao patrimônio cultural e científico do Estado.
Assinam o documento, entre outros, os personagens carimbados de sempre, todos vinculados à vanguarda do atraso, como Hélgio Trindade, Luis Fernando Verissimo,  Ruy Carlos Ostermann.
Eles defendem o Estado máximo, mesmo que não haja dinheiro nem para pagar salários em dia, melhorar os serviços públicos e investir na infraestrutura estadual. 
Há mais.
É manifestação fora de hora, mais apropriada aos zumbis que continuam povoando o atraso gaúcho.