terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Odebrecht cogita mudar de nome para limpar imagem depreciada por corrupção

Vivendo a mais grave crise em 72 anos de existência, a empreiteira Odebrecht, uma das mais enroladas no esquema de corrupção desvendado pela Operação Lava Jato, planeja trocar de nome.

Duas estratégias são estudadas: usar uma marca única (e ODB seria uma possibilidade) ou criar nomes independentes para cada um dos diversos negócios do grupo, como era em um passado não muito distante.

O esforço em criar uma nova identidade virá acompanhado de um encolhimento no porte dos negócios da Odebrecht. Em 2015, último dado disponível, o grupo, que inclui a Braskem, teve uma receita bruta de R$ 132,5 bilhões e acumula uma dívida, também bruta, de R$ 100 bilhões.

9 comentários:

Anônimo disse...


Trocam as moscas, mas a merda continua a mesma.

Assim como o Polenta, que recentemente trocou os nomes do presídios.

Tapando o sol com a peneira.

Anônimo disse...

Essa gentalha deveria ser banida do mundo dos negócios.
Assim como foi um erro anistiar terroristas.

Unknown disse...

Muda para Orcrim!!!

Anônimo disse...

Essa empreiteira e aquele partido que tá mais sujo que pau de galinheiro( a juventude que não conheceu galinheiro, pensa que galinha nasce dentro de um saco no super), o partido da ética e da honestidade, estão com a mesma tática. Prá enganar os trouxas resolveram trocar de nome do partido e agora o nome da empreiteira.

Anônimo disse...

Deve mudar para PTBRAS. Ficaria de acordo.

Anônimo disse...

TEM QUE FECHAR ESTA PORCARIA DE EMPRESA.

QUALQUER EMPRESA QUE SE ATRASA É LACRADA PELA RECEITA FEDERAL, MEIO AMBIENTE OU JUSTIÇA DO TRABALHO.

PORQUE COM OS BONITÕES DO CLÃ É DIFERENTE?

FECHA ESTA PORCARIA, SÓ ROUBARAM.

AHT disse...

- Oh, raios! Pá! Já imaginastes que boa ideia mudar de Odebrecht para ODB EX-ODEBRECHT, para não perder a força da marca septuagenária?

ODEBRECHT, ODB... me fez lembrar da anedota de um português que veio para o Brasil e quando nasceu o primogênito, registrou o luso-brasileirinho com o nome de SEBASTIÃO CARNIÇA. Não vem ao caso descrever aqui o histórico do porquê desse sobrenome que passou a designar um dos antepassados do portuga.

Sebastião Carniça aos 7 anos de idade foi matriculado no 1º ano do Curso Primário. No primeiro dia de aula, quando a professora fez a chamada e chegou a vez do Sebastião Carniça foi aquela algazarra na sala de aula. E assim começou o bulling, verdadeiro martírio do Sebastião Carniça. Ninguém naquela época sabia o que era bulling, mas como faziam, sem dó e nem piedade!

Veio o 2º ano, o 3º, o 4º ano Primário, o Curso de Admissão ao Ginásio, o Ginásio, o Curso Científico e a gozação não parava. Dava dó do Sebastião Carniça.

Sebastião Carniça prestou um concurso no Banco do Brasil e foi aprovado em primeiro lugar. Foi convocado, admitido e designado para trabalhar em uma Agência no Centro do Rio de Janeiro.

No primeiro dia de trabalho, quando apresentado aos seus novos colegas, ninguém conseguiu segurar aquele sorrisinho "Mad". E a gozação começou (naquele tempo nem os funcionários cariocas do BB sabiam o que significava "bulling"). Na Cinelândia, onde foi morar em uma pensão e até encontrar um apê, até a cozinheira não perdoava e azucrinava o bom moço Sebastião Carniça. No apê, na Av. N. Sra. De Copacabana, nº 605, os vizinhos e o porteiro não lhe davam trégua e era só Tião pra cá, Carniça pra lá.

Na primeira férias que tirou no BB, Sebastião Carniça rumou para a cidade natal, em Rio Grande, Rio Grande do Sul. Chegando lá, encontrou Antenor, um amigão desde o primeiro dia de aula no 1º ano Primário. Antenor, um amigo verdadeiramente companheiro e leal. Conversa vai, conversa vem, Antenor notando que Sebastião Carniça dava sinais de depressão, abordou sobre o problema e, para encurtar, o orientou a procurar um advogado para peticionar ao Juiz de Direito que autorizasse a mudança de nome e, assim, acabar com tantos constrangimentos. Uma vez com o novo nome, então sugeriu que ele mudasse de cidade e de emprego.

Três anos depois, os dois se encontraram casualmente, durante o Carnaval em Rio Grande, e o Antenor lhe perguntou:

- Amigão, mudou de nome e tudo bem agora?
- Sim, mudei de nome, de cidade e para um emprego melhor que o BB, mas...
- Qual é o seu novo nome? Diga logo, estou curioso!
- Aproveitei e mudei nome e sobrenome, mas...
- Sim, mas agora como você se chama?
- JOSÉ CARNISSA, CARNISSA COM DOIS "S", mas...
- Só podia ser filho de ... Pá! Me desculpe, tchê! Sebastião, digo, José, mas ...

Anônimo disse...

De que adianta trocar o nome da empresa se os políticos e partidos que irão lá pedir dinheiro serão os mesmos. Mesmo a empresa querendo fazer a coisa de forma correta, os políticos não vão deixar. Eles sempre vão ir lá pedir dinheiro em troca de algum benefício. Não é a empresa quem deve trocar de nome, é a população que deve trocar de voto.

Anônimo disse...


Tem que trocar é o sistema politico do país.