Planos de Saúde pagaram R$ 100 milhões para corromper Palocci e membros da Câmara

Os Planos de Saúde gastaram R$ 100 milhões para corromper o governo Lula, no caso o ex-ministro Antonio Palocci, e também os deputados arrebanhados por ele para votar duas MPs.

O ex-ministro do PT levou R$ 40 milhões.

Marco Maia e Eduardo Cunha, além dos colegas envolvidos na trama, ficaram com R$ 60 milhões.

As MPs investigadas são 627 (perdão de dívidas de planos de saúde com o SUS) e 656 (permitiu a entrada de capital estrangeiro). A suspeita se estende também à CPI dos Planos de Saúde que acabou abortada.

Leia mais a seguir.