Ex-tesoureiro nacional, Paulo Ferreira admite que PT usou dinheiro não contabilizado nas suas campanhas

Réu da Operação Lava Jato, preso desde 23 de junho, Paulo Ferreira, ex-tesoureiro do PT e marido da ex-ministra de Dilma, Tereza Campello,  foi interrogado na Justiça Federal em Curitiba. 

Durante o interrogatório, nesta quarta, 14, o juiz Sérgio Moro perguntou ao ex-tesoureiro:

- O Partido dos Trabalhadores comumente tem feito declarações públicas de que eles não trabalham com recursos não contabilizados. Salvo engano, na minha compreensão, o sr. está afirmando algo diferente, que havia esses pagamentos, inclusive aqui na sua própria campanha. O sr. saberia explicar essa contradição?

Paulo Ferreira respondeu:

- É um problema da cultura política nacional, dr. Moro. Eu não estou aqui para mentir para ninguém. Estou aqui para ajustar alguma dívida que eu tenha, minha disposição aqui é essa.
Negar informalidades nos processos eleitorais brasileiros de todos os partidos é, na minha opinião, negar o óbvio.”

Moro perguntou:

- Inclusive no Partido dos Trabalhadores, na sua campanha?

E o ex-tesoureiro do PT:


- Exatamente.