terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Artigo, Paulo de Argollo Mendes, Zero Hora - A saúde em 2017

- O autor (foto ao lado) é presidente do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers)

A saúde agoniza em um dos momentos mais delicados da economia brasileira. E a população é clara no seu recado, pois vive na pele o drama e a incerteza de atendimento. A recente pesquisa Datafolha recolocou o tema no topo das prioridades. Para 33% dos brasileiros, saúde é o maior problema do país, ganhando mais que o dobro do percentual atribuído à corrupção e desemprego (ambos com 16%). Ajuda a formar esse caldo o fato de mais de 1,6 milhão de pessoas terem desembarcado de planos de assistência médica, restando como seu único alento recorrer ao SUS. Ou seja, 2017 será marcado por uma demanda crescente por atendimento. E como está a estrutura?

Enquanto a população mais precisa do SUS, leitos e hospitais são fechados, arruinando o setor. No Rio Grande do Sul, as dificuldades proliferam, alimentadas pela queda nos repasses do governo estadual aos hospitais. Em 2016, são R$ 144 milhões a menos.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

6 comentários:

Anônimo disse...

Ontem assisti a prestação de contas do Ministro da Sáude, acredito que em 2017 será muito melhor, o Ministro pegou uma pasta desmantelada, já deu uma boa ajeitada, 2017 vai deslanchar.

Unknown disse...

Com certeza... a pec do teto antecipou o aumento do limite de gastos da saúde!!! Só populista idiota não vê!! É triste ver uma corja que só vota não ou obstrue tudo que seja bom para o Brasil!!!

Anônimo disse...

Não me fale em saúde! Os "Maus Escravos Cubanos" já resolveram TUDO! O PT (Partido da Trapaça), PMDB e demais lixos-satélites, TODA a imprensa, TODOS os políticos e 99,99% de idiotas da população acéfala demonizaram a categoria médica e idolatraram e idolatram esse filhotes de Fidel. Essa farra nos custou e custa os tubos. Puro do nosso dinheiro para o ditador (felizmente morto!), dono da ilha-presídio. Pelo visto e pelo custo devem ter resolvido todos os problemas da área. NÃO HÁ MAIS PROBLEMAS DE SAÚDE APÓS OS CUBANITOS TEREM CHEGADO AQUI!!!

Anônimo disse...

Eu li o relatório Desejos da Saúde o diagnóstico feito pelo Simers e a pergunta é; foi encaminhado para os deputados e demais autoridades.
Joel

Anônimo disse...

Lula/Dilma pisotearam a classe médica no Brasil e valorizaram os médicos cubanos. Os nossos médicos para receberem o valor pago pelos médicos cubanos devem atender algum paciente pelo valor que os Convênios pagam. E ainda descontar 27,5% desse valor no Imposto de Renda, porque aqui no Brasil quem quer trabalhar tem que pagar pesados impostos. Os médicos cubanos ganham R$ 13 mil e levam limpinho para Cuba. Não precisam pagar nenhum imposto. E o pior, esse dinheiro público deixa de circular no Brasil. Depois as inteligências dos governos brasileiros dizem que a Previdência está quebrada não pela má gestão do dinheiro publico, mas por causa das aposentadorias justas dos trabalhadores.

Anônimo disse...

Médicos daqui: ganham menos que um porco cubano, paga CREMERS, paga INSCRIÇÃO NO CREMERS, paga IMPOSTO SINDICAL OBRIGATÓRIO, para IR, é fiscalizado pelo CREMERS e gasta sua grana aqui. Curandeiros cubanos: ganham mais pelo mesmo tempo de trabalho, não pagam CREMERS, não pagam INSCRIÇÃO NO CREMERS, não pagam IMPOSTO SINDICAL OBRIGATÓRIO, não são fiscalizado pelo CREMERS, não pagam IR e levam toda a grana "limpinha" para o porcão dono da ilha-presídio. E todo mundo defende esses crápulas.