Governo Sartori diz por que razão faz propaganda com o Google.

O governo estadual não gostou das informações postadas aqui sobre a veiculação de publicidade da Corsan e do Badesul em blogs e sites sediados em SP, como Brasil247 e Rádio Jovem Pan. O que diz o governo é que contratou mídia paga com o Google, visando veiculações cirúrgicas e sites que integram sua rede e com o objetivo de atingir pontualmente leitores gaúchos. Leia a explicação:

Permita-me informar que o Governo do Estado não está fazendo publicidade direta em sites e blogs de São Paulo. O que Corsan e Badesul adquiriram foi publicidade segmentada no Google. A chamada “mídia programática” é veiculada unicamente no Rio Grande do Sul. Pessoas em outros estados não visualizam essas campanhas.

Os anúncios do Google são entregues conforme o interesse de cada usuário, cujo perfil é formado sobretudo por meio do seu histórico de navegação. É possível exibir o banner em qualquer site da rede de display do Google, mesmo os que não tratam de um assunto específico ou o assunto segmentado, pois o que importa é ter ligação com o navegação/interesse do usuário.

Esse tipo de segmentação é mais barata e eficaz, atingindo diretamente o usuário com interesses nos conteúdos relacionados às empresas gaúchas. Apesar de recente, trata-se de uma prática corriqueira e já incorporada na publicidade atual.

As campanhas são criadas dessa forma, com segmentação profunda, para que se tenha uma CTR (métrica indicadora de relevância e qualidade dos anúncios) maior que a média geral e um CPC (custo por clique) menor. 

Tiago Dimer
Diretor de Publicidade e Marketing
Governo do Estado / RS

17 comentários:

Anônimo disse...

NÃO IMPORTA POLÍBIO, O SENHOR FEZ A SUA PARTE E EXCELENTE TRABALHO AO SER O ÚNICO MEIO DE COMUNICAÇÃO QUE FEZ O DEVIDO ALERDE A ESSA AFRONTA. UM ESTADO FALIDO E QUEBRADO NÃO DEVERIA FAZER ANUNCIO NENHUM EM NADA. EU PAGO 3 TARIFAS DE ÁGUA SOBRE 1 ÚNICO HIDRÔMETRO NUM PRÉDIO MEU, ROUBO TOTAL. E AINDA POR CIMA PAGO UM AUMENTO DE ICMS BRUTAL. TOMEM VERGONHA NA CARA SEUS COMUNISTAS, O DINHEIRO É DO POVO, VOCÊS NÃO TEM QUE GOSTAR OU DESGOSTAR, TEM QUE ENFIAR O RABO NO TRASEIRO E MARCHAR CONFORME A SOCIEDADE QUER E NÃO COMO VOCÊS PENSAM EM ROUBAR.

SAUDAÇÕES POLÍBIO, GASTÓN

Anônimo disse...

Nunca vi na minha vida um governo gostar de algo a não ser o alto salário que ganham ali dentro. Nós o povo também não gostamos de ver nosso estado falido devido a má gestão e queima de dinheiro com publicidades nulas que não vão melhorar em nada nossa vida a não ser pagar caro por isso.

Anônimo disse...

Primeira coisa que uma empresa em dificuldades financeiras faz é cortar anúncios. O estado falido do RS deveria adotar o mesmo esquema, cortar a publicidade em sites esquerdistas Brasil 247, RBS etc.

Anônimo disse...

Um estado caro e ineficiente, transfere sua ineficiência ao contribuinte em forma de aumento de ICMS tirando a competitividade de seu parque industrial e se preocupa em anunciar?????

Anônimo disse...

Só faltava fazer anúncio da segurança pública do RS, kkkkkkk

Anônimo disse...

EXPLICADO! E daí? O que nos interessa são redução do custo gaudério SR.GOVERNADOR.

NADA SERVE para a população estas vinculações. O QUE É BOM para nós é a diminuição dos impostos. Faça um enquete com teus caxienses e verás que isto é pura merda!

Desculpe o termo chulo, teu líder maior usa o termo por onde ela sai.


Marcelo Ribas disse...

Os anúncios pelo Google aparecem conforme o perfil do usuário. Se um gaúcho está acessando um site americano, pode ver um anúncio de uma empresa daqui. Por exemplo, se eu buscar passagens aéreas, logo o Google enche as páginas que eu entro de anúncios da Gol, decolar e outros sites de viagem.

Anônimo disse...

Políbio,

A pergunta:

- Para que propaganda??

Não vou nem questionar com respeito ao RS não ter dinheiro.

JulioK

Anônimo disse...

Parabéns caro Polibio. Simples fato de não gostarem é positivo para ti.

Poderiam inserir no site da Corsan, Banrisul, e outros do Estado sem
custo algum.

Fizeram errado, continuam errando, e devem permanecer errando.

Anônimo disse...

Não sair em outros estados (se é que é verdade) não minimiza em nada,
até pelo contrário.

Sabe-se muito bem como isso funciona, não existe maneira de controlar valores nestes tipos de mídia.

Parte pode muito bem servir para outros fins.

Certo você Polibio.

O justiceiro disse...

Se o editor fosse um pouco mais atualizado não postaria estas barrigas.
Não sabe nada o inocente em materia de publicidade na internet o que e normal pois fica enchendo o saco de empresas para postarem banners no seu blog e ai de quem se negar como o governo do estado ai pega no pé inclusive com muitas inverdades como esta da publicidade em sites de São Paulo na internet sites são mundiais e voce publica propaganda no local desejado sua anta e como se fosse num jornal impresso local.

O justiceiro disse...

Se o editor fosse um pouco mais atualizado não postaria estas barrigas.
Não sabe nada o inocente em materia de publicidade na internet o que e normal pois fica enchendo o saco de empresas para postarem banners no seu blog e ai de quem se negar como o governo do estado ai pega no pé inclusive com muitas inverdades como esta da publicidade em sites de São Paulo na internet sites são mundiais e voce publica propaganda no local desejado sua anta e como se fosse num jornal impresso local.

Anônimo disse...

A que público Sartori pretende atingir fazendo propaganda na cloaca da democracia? Tudo tem limite, principalmente a burrice!

Anônimo disse...



Dois problemas: primeiro para de gastar dinheiro de impostos pagos por todos; segundo explicou... explicou...mas não suspendeu o "carinho com o 247". Pode parar!!!

Paulo Rocha disse...

Por qual motivo a Corsan faz publicidade? Aqui na frente da minha casa somente os "canos" ela é que fazem o abastecimento, logo não tenho escolha!

Anônimo disse...

Parabéns Polibio, você é corajoso, não é esses chapas brancas !
Outra, propaganda do que ?
Só pode ser do parcelamento dos salários !
Tudo isso é de um ridículo atroz !
Maria Eduarda Pires

Anônimo disse...

Este é o sujeito que voces elegeram