Delta, a maior construtora do PAC, transferiu R$ 39 mi para empresas de fachada de Cachoeira

- A reportagem a seguir demonstra por que razão Dilma quer que Lula pare de meter fogo no PT para que instale a CPI da Corrupção. Os tentáculos de Carlinhos Cachoeira poderão chegar dentro do gabinete presidencial do Planalto. A reportagem é do jornal O Globo deste domingo. 

Gravações mostram bicheiro e Demóstenes tratando de decisões do MP estadual de Goiás
Cássio Bruno, Maiá Menezes, Evandro Éboli e Luiza Damé, O Globo.

O bicheiro Carlinhos Cachoeira usou duas empresas de fachada — a Brava Construções e a Alberto & Pantoja — para movimentar R$ 39 milhões, entre 2010 e 2011. Os saques eram feitos pelo tesoureiro da quadrilha de Cachoeira, Giovane Pereira da Silva, e sempre um pouco abaixo de R$ 100 mil, que é o valor que obrigaria a comunicação ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Segundo os relatórios da Operação Monte Carlo, deflagrada pela Polícia Federal em 29 de fevereiro, o repasse do dinheiro foi feito pela Delta Construções.

“A empresa Delta Construções S/A transferiu dezenas de milhares de reais para empresas ‘de fachada’ (com sócios montados — inexistentes) controladas por Carlinhos Cachoeira e Giovane Pereira da Silva nos anos de 2010 e 2011, conforme demonstram os extratos bancários vinculados à Brava Construções e Alberto & Pantoja Construções”, diz trecho do relatório da PF.
O inquérito mostra que parte dos saques foi em período eleitoral: “113 saques em espécie entre 13/08/2010 e 18/04/2011”. Segundo os documentos, os supostos sócios da Brava e da Alberto & Pantoja são apenas “bonecos, montados para os fins da organização criminosa” e alguns desses sócios tiveram nomes modificados para criação de CPFs falsos.
O GLOBO mostrou que a Delta, empreiteira número um do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), recebeu, ano passado, R$ 884,4 milhões da União. O volume de recursos do governo federal para a Delta cresceu 1.417%, de 2003 até 2011 em valores corrigidos pelo IPCA. De janeiro até anteontem, a Delta recebeu R$ 156,8 milhões — dos quais R$ 156 milhões destinados às obras do PAC. Em 2007, 2009 e 2011, a Delta foi a principal empreiteira do PAC.

CLIQUE AQUI para ler toda a reportagem.

Sarney continua hospitalizado e escapou por pouco de um infarto.

- O texto a seguir é do jornalista Hermano de Freitas e a reportagem é do portal Terra (www.terra.com.br) O ex-presidente Sarney tem 82 anos. 

O presidente do Senado Federal, José Sarney (PMDB-AP), correu grande risco de sofrer um infarto do miocárdio no sábado, quando procurou seus médicos e acabou transferido para o hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. O coordenador da equipe que trata do político e cardiologista, Roberto Kalil Filho, afirmou que, mesmo em um quadro considerado estável, ele seguirá ao menos uma semana internado.
Sarney foi ao hospital após sentir dores no peito na manhã de sábado. Ao chegar à capital paulista, relatou ter sentido um desconforto mais agudo acompanhado de dores no braço esquerdo - um sintoma clássico de ataque cardíaco. Três exames indicaram alterações nas funções do órgão: um eletrocardiograma, um ecocardiograma e uma análise de enzimas coronarianas.

"O que deixou ele preocupado é que tinha sentido dores que nunca havia sentido antes. A dor confunde e ele sofre de gastrite, que causa desconfortos. Apenas 50% dos pacientes sentem a dor. É traiçoeiro", disse Kalil nesta tarde no hospital. Sarney passará por nova avaliação nesta segunda-feira antes da possível alta da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) cardiológica.

Após as alterações, Sarney foi submetido ao cateterismo, que identifica possíveis obstruções no coração, na madrugada deste domingo. Durante o procedimento, foi detectada a obstrução de uma artéria, a descendente inferior, sendo solucionada por meio de uma angioplastia e pela colocação de um stent, "um Roto-Rooter", na definição de Kalil.

O estado de Sarney é estável, de acordo com boletim das 12h30, e sua assessoria informou que ele está acompanhado da mulher, a ex-primeira dama Marly Macieira Sarney. A presidenta Dilma Roussef e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ligaram para ter notícias de Sarney. Ele não deve receber visitas pela restrição da UTI, mas alimenta-se normalmente e tomou café da manhã neste domingo.

Secretário gaúcho da Segurança e comandante da Brigada escapam ilesos de pane em helicóptero do governo do Estado

O secretário gaúcho da Segurança,Airton Michels, e o comandante da Brigada, Sérgio Abriu, escaparamj de um desastre aéreo na manhã deste domjingo, quando o helicóptero tripulado pelas duas autoridades sofreu pane e fez pouso forçado em Guaíba.

. O helicóptero ia para Pelotas, onde o secretário e o comandante participasram da cerimônia de enterro de um brigadiano morto no sábado durante duelo com assaltante de bncos em Dom Feliciano, município da zona Sul.

Agnelo (governador de Brasília, do PT): "Não renuncio. Só se me abaterem fisicamente"

- O jornal O Estado de S. Paulo publica a entrevista a seguir, que é do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, do PT, investigado como membro proeminente do esquema de corrupção montado pelo lobista, contraventor e empresário Carlinhos Cachoeira. Leia tudo:
Identificado pela Polícia Federal como o "01 de Brasília" e o "Magrão", citado em diálogo da quadrilha comandada pelo contraventor Carlinhos Cachoeira, o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, está sob pressão do seu partido, o PT, com o governo sob vigilância do Planalto e virou protagonista de uma crise que ressuscita o fantasma da intervenção federal. Em entrevista ao Estado, ele garante que não renuncia nem se afasta do cargo, e negou ter recebido apoio financeiro ou caixa 2 para sua campanha seja de Cachoeira, seja da construtora Delta.
Vannildo Mendes

Brasília - Identificado pela Polícia Federal como o "01 de Brasília" e o "Magrão", citado em diálogos da quadrilha comandada pelo contraventor Carlinhos Cachoeira, o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), está sob pressão do seu partido, com o governo sob vigilância do Planalto e como protagonista de uma crise que faz ressuscitar o fantasma da intervenção federal. Auxiliares diretos seus se envolveram ou tentaram se aproximar do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.
Mesmo assim, em entrevista ao Estado, Agnelo garante que não vai renunciar nem se afastar do cargo "sob qualquer hipótese". A não ser uma: "Só se me abaterem fisicamente", diz, reproduzindo inconscientemente o script do ex-ministro do Trabalho, Carlos Lupi, de que só deixaria o governo a bala - e que saiu demitido. "Tenho conversado com a presidente Dilma", adverte, para sinalizar apoio.

Cercado por denúncias desde que assumiu o cargo em 2011, e com baixos índices de popularidade, Agnelo é alvo de inquérito criminal no Superior Tribunal de Justiça (STJ) por suspeita de irregularidades desde seus tempos no Ministério do Esporte (2003-2006) e, depois, como diretor da Agência de Vigilância Sanitária (2007-2010). Agora é alvo também da CPI mista do Congresso que vai investigar as atividades de Cachoeira. Além do apoio da presidente Dilma, garante que tem o da direção do PT para resistir às pressões. "O cara só pensa nisso (renúncia) se tem culpa no cartório. E eu não tenho", afirma. Ele vê, na CPI, uma oportunidade de provar sua inocência.

O governador disse que encontrou no governo uma máquina pública dominada por "corrupção sistêmica" e, assim, atraiu a ira de grupos econômicos poderosos contrariados. Disse também ter-se encontrado apenas uma vez com Cachoeira, numa reunião com empresários da indústria farmacêutica, em 2009 ou 2010, e negou que tenha recebido apoio financeiro ou caixa dois para sua campanha.

O senhor vai renunciar ou se afastar do cargo para facilitar as investigações?
Absolutamente. O cara só pensa nisso se tem culpa no cartório. Defendo a CPI e quero a apuração disso porque não tenho culpa no cartório.

CLIQUE AQUI para ler toda a entrevista.

Presidente do Serpro, o gaúcho Marcos Mazoni, responde a novas denúncias sobre suas relações com a Oracle

- Marcos Mazoni foi o primeiro presidente da Procergs no governo Olívio Dutra. Na estatal, liderou o movimento do software livre no Brasil, criando alguns produtos com dinheiro público e que acabou disponibilizando de graça no mercado, o que gerou investigações que não deram em nada. Mais tarde, concluído o governo do PT, foi para o governo Requião, no Paraná, onde presidiu a Celepar. Agora é presidente do Serpro. Suas relações comerciais com a Oracle sempre deram o que falar, mesmo quando foi presidente da Procergs no RS. A nota a seguir é do Correio de Santa Maria. Para o jornal, a direção do Serpro disse que não houve irregularidade alguma nas denúncias que são objeto de investigações por parte do MPF. Documentos internos do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) obtidos pelo Correio apontam que o presidente da empresa, Marcos Mazoni, determinou que um equipamento da multinacional Oracle, ainda em período de teste sob regime de comodato (quando é emprestado sem ônus), entrasse definitivamente em produção. A ordem, emitida em fevereiro pela presidência, atropela o trâmite licitatório, fere o contrato de comodato e ignora o trabalho de um ano e meio do corpo técnico da casa para formatação do termo de referência. Mazoni é alvo de investigação do Ministério Público Federal (MPF) por indícios de irregularidade em outro contrato assinado com a empresa paranaense IT7 para a aquisição de 8 mil licenças de softwares, conforme o Correio revelou ontem.

O contrato de comodato número 48.270, assinado pelo próprio Mazoni com a Oracle do Brasil há dois meses, deixa claro, no parágrafo segundo, que “os equipamentos ora cedidos serão utilizados pelo Serpro apenas para fins de teste, demonstração e outros fins que não forem de produção”. Questionada, a estatal negou que a presidência tivesse emitido qualquer ordem nesse sentido.

http://correiodesantamaria.com.br/?p=13586

Com inadimplência recorde, consumidor dá carro para quitar dívida

- A reportagem a seguir é de Fernanda Nakagawa e foi publicada no jornal O Estado de S. Paulo deste domingo.

Devedores brasileiros tentam vender o veículo, mas, como o carro deprecia rápido e há grande oferta, o valor conseguido na venda não é suficiente para quitar a dívida.
Para resolver o problema, muitos consumidores têm tentado uma solução caseira: repassar o automóvel e a dívida a outra pessoa. Às vezes, no desespero, até de graça.

. Em janeiro, o paulistano Felipe Di Luccio percebeu que as contas não fechavam. A faculdade, a parcela do apartamento recém-comprado e o financiamento do carro consumiam boa parte do salário.

. Para sair do vermelho, decidiu vender o Celta comprado sete meses antes em 60 parcelas. "Mas não dava. Receberia R$ 20 mil, insuficiente para quitar a dívida de R$ 23,5 mil no banco. Então, decidi repassar a dívida."

. O plano do estudante de arquitetura era simples. Como a venda do carro não bastava para liquidar a dívida, queria se livrar do financiamento com a entrega do carro para outra pessoa. "Vai o carro, vai a dívida", resume. Não há números oficiais, mas financeiras e lojas de automóveis reconhecem que a iniciativa de Luccio tem se repetido cada vez mais no País.

. Após a exuberância do crédito fácil e abundante dos últimos anos, clientes com dificuldade financeira se desesperam ao perceber que não basta vender o carro para quitar o empréstimo. Os que mais sofrem são aqueles que optaram pelo financiamento de 100% do veículo, exatamente como Luccio.

CLIQUE AQUI pra ler tudo.

Ary Vanazzi (Operação Cosa Nostra) é o principal candidato à presidência da Famurs

O prefeito de São Leopoldo, Ary Vanazzi, PT, objeto de uma investigação feita ao mesmo tempo pela Polícia Civil, TCE e MPE, no âmbito da Operação Cosa Nostra, é o principal candidato à sucessão do prefeito Mariovane Weiss na presidência da Famurs, RS.

Álvaro Vargas Llosa falará terça no Fórum da Liberdade que abrirá nesta segunda de manhã em Porto Alegrew

Álvaro Vargas Llosa falará terça no Fórum da Liberdade que abrirá nesta segunda de manhã em Porto Alegre
Começará nesta segunda-feira no prédio 41 da PUC do RS o 25o Fórum da Liberdade, em Porto Alegre. O evento irá até amanhã. Ele não recebe um só centavo de dinheiro público, ao contrário do Fórum Social Mundial, integralmente bancado pelo dinheiro dos contribuintes.

. As inscrições ainda podem ser feitas pelo site www.forumdaliberdade.com.br  até as 17h deste domingo. Os preços: R$ 40,00 (R$ 20,00 para estudantes).

. Nesta segunda-feira, a abertura foi agendada para as 8h30m. Durante o dia, falarão cnvidados como Carlos Fernando Souto, Rober Agnelli, Vicente Falconi e Guilherme Paulus. Na terça-feira, a principal palestra será de Álvaro Vargas Lossa, as 14h.