Entrevista, Darcísio Perondi - Urgência já saiu. Agora, repactuação das dívdias do Estado será votada até o final do mês.

ENTREVISTA
Darcísio Perondi, deputado, PMDB do RS

Em que ponto está o projeto que repactua as dívidas dos Estados com a União ?
O plenário da Câmara acaba de aprovar por 335 a 118 votos o regime de urgência para a votação. Trata-se do projeto de lei complementar 257/2016.

E a votação, quando sairá ?
No final deste mês.

Alivia ?
A maioria dos Estados quebrou e o acordo vem em boa hora. Não resolve tudo, mas vem em boa hora. Só para o Rio Grande do Sul, o acordo significa um alívio nas contas, de R$ 1,650 bilhão em 2016.

Mas existem contrapartidas ?
Os limites de gastos fixados pela Lei dee Responsabilidade Fiscal não mudarão (60% da Receita Corrente Líquida), divididos com outros órgãos, como Judiciário, 8%, ou Ministério Público, 2% do bolo total, mas despesas que não eram contabilizadas dentro do limite de gatos cdom funcionalismo, como aposentados e pensionistas, em muitos casos, terão que sê-los.

Como fica o RS ?
O RS é o que tem a situação mais complicada, porque 75% da receita está comprometida com a Folha. É a pior situação do Brasil.

3 comentários:

Anônimo disse...

ótima oportunidade para demitir alguns incomPeTentes e afins que não merecem o cargo.

Estabelecer metas e ranquear a produtividade, se não atingida, RUAS, ops, (Pedro Ruas não,kkk), RUA.

Sim, já sei, é utopia.

Anônimo disse...

Governo Sartori, chega de vacilar, é a hora de extinção da FDRH e da corag, precisamos de dinheiro para pagar a segurança pública e o resto dos serviços essenciais, chega de vacilo.

elias disse...

Vocês imaginem gastar mensalmente, de seu salário, por exemplo, 75% em aluguel e viver com 25% para o restante. 25% tem que durar os 30 dias do mes!
Se ligaram?
Ou acaba essa casta ou acaba o rio pequeno e sua capital lixo alegre.
Não tem saida. Não tem choro.
30% do quadro ou mais tem que vazar. Comecem pelos CCs, pelas cedências de funcionário ate´para sindicatos!
Mudem as leis que abastecem o judiciário lento ineficiente e contra o cidadão - sempre, mais o poder legislativo que ganha e paga muito por NADA.