Prisão de Temer domina o noticiário da imprensa. Bolsonaro culpa o toma-lá-dá-cá pela corrupção endêmica na política.

O noticiário principal de toda a imprensa brasileira é dominado, hoje, pela prisão do ex-presidente Michel Temer.

A capa do jornal Correio do Povo de hoje demonstra este tipo de enfoque principal.

Como informa a manchete do jornal, Temer foi preso por liderar grupo que se formou como organização criminosa há 40 anos e que faturou R$ 1,8 bilhão de propinas no período.

No Chile, onde se encontra, Bolsonaro disse que "quem deve, tem que pagar". Ele também deixou claro que o caráter híbrido da Constituição de 88 conduziu a governos de coalisão que exige o toma-lá-dá-cá, origem de acordos espúrios e formação de organizações criminosas como as dos grandes Partidos, com ênfase para PT, MDB e PSDB.

Temer foi preso por ordem do juiz federal Marcelo Bretas, que conduz o braço carioca da Lava Jato. Além do presidente, foi preso também o ex-ministro Moreira Franco. Mandados de busca de apreensão resultaram cumpridos nas casas de ambos e dos demais presos.

4 comentários:

Anônimo disse...

pela grossura da porta, parece ser carro blindado bancado pelo contribuinte que é assassinado diariamente nas ruas, nos ônibus ou ate mesmo dentro de casa...

Alberto disse...

A maioria dos nossos políticos são mesmo uns LADRÕES NOJENTOS.

Anônimo disse...

Absolutamente correta a observação. A merda chamada de constituição de 1988, criou um monstrengo político, misturando presidencialismo com parlamentarismo, e com isto, pavimentou o caminho para um espetáculo ímpar de chantagens e troca de favores, estes constituídos de empregos e verbas. A partir dai a corrupção tomou conta da politica no Brasil. Urge mudar isto.

Anônimo disse...

Concordo com o anônimo das 09:33, porém com estes que lá estão, não será feito reforma alguma. E mais a corrupção não começou de 1988 para cá , talvez a constituição tenha pavimentado o caminho, por vários que lá ainda estão !!!!Ou seja reformaram para ficarem protegidos e roubar sem medo de condenação.