Governo Sartori concorda com Marlon Santos e vai esclarecer o que já está esclarecido no projeto de adesão ao RRF

O governo Sartori cedeu ontem a pelo menos três exigências do presidente da Assembleia, Marlon Santos, PDT, aliado da oposição lulopetista, tudo depois da reunião com o vice-governador, José Paulo Cairoli.

O governo decidiu apresentar emendas ao projeto de adesão ao Plano de Recuperação Fiscal:

1) Deixará claro o que já é claro atualmente, ou seja,  que a dívida só pode ser reajustada pelo IPCA, mais 4%, mas limitado à variação da Selic.
2) Dirá claramente que se houver prorrogação de até mais 36 meses, o pedido deve ser feito ao ministro da Fazenda.
3) Permitirá a concessão de reposição inflacionária ao funcionalismo.

Isto tudo já consta da legislação federal que regulamenta o Plano, mas as sugestões de Marlon Santos para fazer de conta que ele influi alguma coisa e não perturbe ainda mais o andamento das sessões da Assembleia, agora sob seu comando.

4 comentários:

Anônimo disse...

Paciência; para analfabeto funcional o que se exige é repetição, repetição e repetição

Anônimo disse...

Querem realmente transformar o brasil numa venezuela/cuba. Depois será tarde pra se arrepender.

Unknown disse...

Estas sugestões do Deputado Marlon chovem no molhado. A primeira dela faz parte da renegociação de 2016. Já é lei. Aliás, é a espinha dorsal da lei.
Quanto à revisão periódica dos salários está na constituição estadual. Se o governo não cumpre é porque não pode e não será colocando numa lei que passará a cumprir.

Anônimo disse...

PDT - COCÔ.