Sartori volta de Brasília as 14h. No final da tarde, pedirá apoio aos prefeitos na Expointer.

Antes de ir ao encontro do vice-presidente Michel Temer, esta manhã, o governador Ivo Sartori conversou sobre a reunião de ontem com o ministro do STF, Marco Aurélio Mello, e também a respeito da percepção que faz sobre o encaminhamento de soluções para a crise fiscal gaúcha.

O deputado Darcísio Perondi, que foi procurado há pouco pelo editor, esteve com o governador o encontrou  "firme, angustiado e esperançoso".

É que Sartori recebeu a promessa de Marco Aurélio Mello no sentido de que buscará conciliação de interesses entre Uuião e Estado, mas além disto o vice Michel Temer empreendeu uma série de gestões para ajudar o Piratini.

O governador embarcará as 14h de volta para o Estado, mais esperançoso de que receberá auxílio federal. Ele quer participar, esta tarde, de reunião com prefeitos da Famurs, na Expointer, que darão apoio às propostas de ajustes, com ênfase para o aumento do ICMS.


5 comentários:

Lucaspsb disse...

Políbio, tem uma guerra no morro santa teresa agora, uma nuvem preta lá.

Zarathustra disse...

Ai que saudades do Tarso! É comuna, mas fala, se comunica, o galo garnisé gramscista. O atual governador parece, data venia, múmia. Só podia ser um desastre ambulante do PMDB, esse partido burocrático, adesista, nefasto para o Brasil.

Anônimo disse...

O Conversa Afiada reproduz artigo de Fernando Brito, extraído do Tijolaço:

Só fortes indícios contra Anastasia fariam PF pedir a Teori que inquérito prosseguisse

Muito pouco foi contado dos indícios encontrados pela Polícia Federal para pedir o não-arquivamento do inquérito e a continuidade das investigações sobre o senador Antonio Anastasia.

É óbvio que não se ia contrariar um parecer da Procuradoria Geral da República apenas porque se descobriu que um aliado político da Anastasia residia próximo ao trajeto descrito pelo entregador de dinheiro Jaime “Careca”.

Há mais, muito mais, não apenas nos fatos apurados como na estranha atitude de deles não terem tido conhecimento anterior os promotores ligados a Janot.

É bom não esquecer que, em abril, policiais e procuradores tiveram um atrito por conta de saber quem conduziria as investigações sobre políticos que, até este episódio, parecia superado.

Aliás, muito provavelmente a ação da PF de procurar Teori Zavascki diretamente para pedir a continuidade do inquérito que Rodrigo Janot queria arquivar foi uma reação a uma negativa anterior da PGR de seguir pela trilha aberta com alguma revelação sobre o Senador Anastasia, braço direito de Aécio Neves.

É importante jamais esquecer que não existe “Operação Lava Jato” sem componentes políticos e sem luta intestina em todas as instituições envolvidas: Justiça, Procuradoria e Polícia Federal.

Portanto, em tudo o mais provável é que haja fatos, não apenas suspeitas, comprometedores envolvendo Anastasia e se os há, inevitável que agora venham à tona.

De qualquer forma, preparem-se para uma enxurrada de gritos e reclamações tucanas em geral e de Aécio Neves em particular.

É que vai ser posto à prova aquele dito mineiro com que brincaram na sabatina de Janot ao Senado e veremos se pau que dá em Chico também dará em Francisco.

Anônimo disse...

PREFEITOS DE OLHO NO RETORNO DOS 25% DE ICMS, LÓGICO QUE DARÃO. POLÍTICO ALGUMA VEZ, OU ALGUMA OPORTUNIDDE NA ANCIA DE GANHAR DISSE NÃO PARA ALGUMA COISA ?

Anônimo disse...

Espero que ele tenha voltado com a guaiaca cheia!