Trabalhadores paralisam produção em sistemistas da GM em Gravataí durante quatro horas

Eles discordam da proposta de PPR a ser pago pela General Motors e demais empresas do Complexo Automotivo em 2016

Trabalhadores de quatro empresas sistemistas do Complexo Automotivo da General Motors em Gravataí paralisaram a produção durante quatro horas na manhã de quarta-feira, em protesto contra a proposta apresentada pela GM e demais corporações ali instaladas em relação ao Plano de Participação de Resultados (PPR) 2016. Funcionários da TI Automotive, Gestamp, Pelzer e Autoneum, ao serem informados pelos dirigentes do Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí (SINMGRA) sobre o que está sendo oferecido, optaram por cruzar os braços e decidiram não trabalhar entre às 6h30min e às 10h30min.

As propostas patronais foram amplamente rejeitadas, tanto pelos trabalhadores da GM quanto pelos que atuam nas empresas sistemistas. A proposta da General Motors previa o pagamento de R$ 6.100 de PPR e R$ 3.785,00 de abono para 100% das metas. A antecipação seria paga no dia 1° de julho, com uma parcela de R$ 6.150,00, somando o valor total do abono. Já as sistemistas ofertaram R$ 2.531,00 de PPR e R$ 1.832,12 de abono. A antecipação da primeira parcela seria de R$ 2.200,00.

A contraproposta dos trabalhadores pede para a GM o pagamento de R$ 10.030,00 de PPR e R$ 3.785,00 de abono para 100% das metas, totalizando R$ 13.815,45, sendo a antecipação no valor de R$ 8.550,00 paga em 20 de junho. Para os sistemistas, é solicitado R$ 5.900,00 de PPR e R$ 1.832,12 de abono, em um total de R$ 7.732,12. A antecipação da primeira parcela seria em 20 de junho, no valor de R$ 4.200,00.

2 comentários:

Anônimo disse...

Com essa crise que tá aí de desemprego. O que esses trabalhadores vão arrumar é essa fábrica da GM fechar as portas. Indo prá outro país. Não estão vendendo carros. Tá tudo fechando fábrica.

Anônimo disse...

Políbio,

Tem uns "20.000" desempregados só em Gravataí de olho gordo esperando para .....

JulioK

Ps.: número fictício, mas em época de crise fazer greve não é muito inteligente.