Artigo, Ozires Silva - Voando mais longe


Quando a Embraer foi criada, em 1969, a indústria aeronáutica não era menos competitiva do que é hoje. Foram necessárias muitas horas de trabalho de pessoas ousadas e corajosas para que, em 1977, o Bandeirante fizesse sua estreia internacional no Salão Aeronáutico de Le Bourget.Desde então, a Embraer se dedicou a identificar certos nichos de mercado, amparada por uma reconhecida capacidade técnica e de inovação, tornando-se líder mundial na fabricação de jatos de passageiros de até 150 assentos, ingressando no segmento da aviação executiva com produtos inovadores, como o jato Phenom 300, que há anos é o modelo mais vendido de sua categoria. Sua participação internacional na área de defesa, cujo expoente atualmente é o jato de transporte multimissão KC-390, é crescente.

Em outras palavras, a Embraer que ajudei a fundar se tornou, ao longo desses anos todos, um ícone que simboliza a capacidade e qualidade da engenharia brasileira em um segmento de ponta, que sempre utilizou tecnologia de última geração. Dia após dia, sempre com muito empenho e trabalho, conseguimos conquistar os corações e mentes dos brasileiros para um projeto que hoje é orgulho do nosso povo.

Chegou agora um novo momento de tomada de decisões importantes para entrarmos em outra rota, sujeita aos mesmos riscos do passado, quando começamos a construir a companhia, que hoje é a terceira maior exportadora do Brasil, gerando divisas relevantes e contribuindo para o desenvolvimento econômico e social do nosso país.


CLIQUE AQUI para ler tudo.

9 comentários:

Anônimo disse...

Caro polibio: já viste um vídeo no youbtube sobre a ameaça é agressão de um policial civil candidato a de. Estadual pelo PT (Leonel 13007) contra um manifestantecdo BOLSONARO? É revoltante!

Anônimo disse...

Se puder faça um clipping sobre está agressão nojenta...não vi em jornal algum.

João Bucecha disse...

Melhor ter 20% do Zafari do que 100% do boteco da esquina.

Emmanuel disse...

O bom senso manda voar direto para Everett ....

Anônimo disse...

Belíssimo texto!
Obrigada, caro Polibio, em postá-lo!
Espero que o Brasil também voe mais longe e mais alto a partir do dia 07/10/18, com um piloto e pessoal de bordo seguro dos seus atos.
Chega de ver o Brasil no hangar!

Anônimo disse...

Exatamente o que eu postei várias vezes sobre a joint Embraer Boeing. A palavra do meu grande chefe Ozires, quando trabalhei na Embraer por 10 anos,falou tudo. Leia atentamente e entenda que será a maior empresa de aviação civil, quanto aos projetos militares serão desenvolvidos em Gavião Peixoto e não entram na parceria. O resto é fake e muita conversa mole de quem não conhece o que significa a parceria Embraer e Boeing.
Eng. Aeronáutico de Sistemas Joel Robinson ( ex-Varig e ex-Embraer)
Quer meu CV? eu mando com certificação.

Anônimo disse...

Se Ozires Silva aprova, eu fico trsnquilo!

Anônimo disse...

Se Ozires Silva aprova, eu fico tranquilo!

Chapolin do B disse...

Tinha que aparecer um VARIGUIANO PUXA-SACO se achando o suprassumo. Incompetentes, conseguiram o impossível de quebrar uma empresa, imagine só, que foi monopolista até 1996. Também, pudera, era gestão pior que estatal do Piauí.