Terroristas divulgam instruções de atentados há meses no Brasil

Uma das principais sinalizações de que o Estado Islâmico (EI) tentava conquistar seguidores no Brasil foi a criação, no fim de maio, de um canal em português na rede social Telegram. O canal seguia os moldes do já existente Nashir Channel, que veicula propaganda extremista na plataforma.
Mais recentemente, foi criado outro canal no Telegram, com o nome Ansar al-Khilafah Brazil, que declarou lealdade ao Estado Islâmico e ao seu líder, Abu Bakr al-Baghdadi. Foi a primeira vez que um grupo no Brasil e na América do Sul anunciou explicitamente sua filiação à organização sunita. A notícia foi veiculada na segunda-feira pela agência norte-americana de contraterrorismo site Intelligence Group.

Foram compartilhados no Telegram manuais e sugestões de métodos para se cometer atentados durante os Jogos Olímpicos. Entre as táticas citadas, há sequestros, envenenamento, uso de drones, acidentes de carro, esfaqueamento e veiculação de falsas ameaças. Uma lista com 17 itens circulou com explicações de como proceder em cada um dos métodos.

Os alvos principais são as delegações e turistas de Estados Unidos, Reino Unido, França e Israel. O "manual" também orienta a envenenar alimentos e bebidas de bares e restaurantes, atacar partidas de seleções de países considerados "inimigos" (os que integram a coalizão internacional contra o Estado Islâmico) e disparar explosivos com drones.

Alguns perfis já vinham sendo monitorados por organizações, inclusive pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin), que identificou um recrutador do Estado Islâmico no Brasil sob o nome de Ismail Abdul Jabbar al-Brazili, apelidado de "O Brasileiro". No último dia 11, um fórum online cujas conversas foram monitoradas pelos hackers do Binary Sec tentava ter notícias de al-Brazili. Foram publicadas mensagens em um grupo pedindo ajuda para localizar o recrutador do EI. Os hackers também localizaram mensagens trocadas entre os dias 17 e 18 de junho que exibiam fotos de uma AK-47 publicadas por um usuário apelidado de "Wolf", o qual se referia aos Jogos do Rio de Janeiro. Em outro post, um norte-americano se dizia fabricante de armas para o Estado Islâmico no Brasil.
Até a operação da PF, a única ameaça concreta que ficou conhecida mundialmente contra o país foi a mensagem publicada por Maxime Hauchard, um dos líderes do Estado Islâmico, logo após os atentados de 13 de novembro, em Paris. “Brasil, vocês são o próximo alvo”, escreveu o jihadista na ocasião.

3 comentários:

Anônimo disse...

Minha crítica ao sr. ministro. Esses ítens que os terroristas elencaram nós vivenciamos no dia a dia, e nada é feito.
Comida envenenada. O que é o leite e o queijo podre, cheio de venenos que o MP está desbaratando quadrilhas. O que são os ônibus incendiados nas mais diversas capitais brasileiras. O que são as brigas de torcidas com armas de fogo. O que são as chacinas feitas por grupos de traficantes. O que são os drones utilizados pelos traficantes. O que são as armas de guerra em uso pela criminalidade ( não é somente foto ).
Ora! O ministro conseguiu o holofote para as olimpiadas.
Enquanto que o povo, esse que está num estado de terror, que se dane.

Mordaz disse...

Na terra de 60 e 70 era 0 Estado Comunista que financiava o terrorismo no mundo todo e inspirava lobos solitários. Lula deu proteção especial para um deles condenado no seu país, Cesare Battisti. No Brasil tivemos vários grupos de terroristas tentando implanta a nova religião liberticida. Só quem vive pode saber o que era o terror da época.

Anônimo disse...

LUCIANAS E MANOELAS TERÃO QUE MORDER A LINGUA E MUDAR DISCURSO