Artigo, José Nêumane - Junho acabou no sábado

O jornalista José Nêumane Pinto escreveu no Estadão de hoje que em junho as multidões ocuparam as ruas das grandes cidades brasileiras, assustando os políticos governistas e surpreendendo os da oposição, acendendo o sinal de alerta do Poder Judiciário e dando à sociedade a ilusão de que o gigante tinha acordado e o monstro da opinião pública devoraria os inimigos do povo. Ele conta que os eventos de junho acabaram neste sábado, nas comemorações do Dia 7. Leia tudo:

Tudo começou com uma manifestação contra o reajuste das tarifas dos transportes coletivos, que logo se tornou reclamação contra a péssima qualidade da mobilidade urbana. A classe média engrossou o caldo para gritar contra as óbvias mazelas de um Estado que arrecada muito para que os donos do poder fiquem com praticamente tudo, quase nada restando para a gestão decente dos serviços públicos. A corrupção prejudica todos os que não são corruptos e só beneficia ladrões e traficantes de drogas. Basta ver que, como publicou este jornal anteontem, a caça aos larápios totalizou 20,7% das missões desencadeadas pela Polícia Federal de janeiro a agosto deste ano nos Estados e em Brasília, enquanto ações contra o tráfico de drogas somam bem menos - 16,9% dos casos. A inflação atinge diretamente o bolso do pobre, a primeira vítima da péssima gestão pública em educação, saúde e segurança.

Agora, dois meses depois, percebe-se que quem confiou na revolução direta das ruas, ao contrário de Chapolim, não contava com a astúcia de quem domina as manhas do regime patrimonialista. 

CLIQUE AQUI para ler tudo. 

3 comentários:

Anônimo disse...

Já foi tarde... Mesmo os anti-petistas deveriam comemorar, se aquele pessoal tomasse conta do país teríamos todos saudades do PT...

Anônimo disse...

Li no Estadão de hoje,realmente muito bom.Só que eu procuro ver por outro ângulo.Os baderneiros ficaram sozinhos nas ruas fazendo suas arruaças, num primeiro momento parece que atingiram seus objetivos,já que são todos chapas branca.Porém o povão está na moita esperando a hora certa.Aquilo que aconteceu em junho não morreu,apenas está queimando por baixo e quando menos se esperar a floresta foi abaixo.Se quiserem outro bordão, pode-se dizer que está em maturação.

Anônimo disse...

é tudo pt é tudo lixo.