Entrevista, Jeffrey Sachs – O mundo tem conserto

Um dos mais influentes pensadores do desenvolvimento sustentável, Jeffrey Sachs, defende uma agenda de metas e ações práticas para a Rio+20, nesta entrevista esclarecedora que a jornalista Daniela Chiaretti produziu para a edição deste final de semana do jornal Valor (Caderno Eu). Vale a pena ler para entender melhor o que será a Rio+20 e a importância dos discursos e ações que precisam ser implementados para garantir o desenvolvimento sustentável das sociedades em todo o mundo.

CLIQUE AQUI para ler, reler, copiar e estudar.

5 comentários:

Anônimo disse...

meu amigo, a unica medida razoável e eficaz para o tal mundo se tornar sustentável atende pelo nome de "controle de natalidade"...

o resto eh papo de "especialista"...

agora me digam se tem cabimento - ou me apresentem uma justificativa que tenha lastro na logica - que um pais miseravel como a India tenha UM bilhao de habitantes e tenha condições de, em um longínquo dia, se tornar uma nação sustentável...

Anônimo disse...

FORA COM ESSA ADORAÇÃO À DEUSA GAIA. FORA COM ESSE LIXO IDEOLÓGICO DO AMBIENTALISMO.

FORA ONU, FORA GOVERNO MUNDIAL, FORA ESQUERDA PATROCINADA PELA ELITE GLOBALISTA.

NA ECO92 NO RIO O BRASIL PERDEU PARTE DO SEU TERRITÓRIO COM ADEMARCAÇÃO DA NAÇÃO IANOMAMI EM RORAIMA.

CHEGA DESSE BESTEIROL DO AQUECIMENTO GLOBAL.

Anônimo disse...

É engraçado esse papo de salvar o planeta. O cara não consegue cuidar nem de um vaso de planta ou produzir sequer uma abobrinha para comer e se pretende salvador do mundo. Vamos parar com essa demagogia, pô.

Justiniano disse...

Esse ano certamente vão discutir no Rioecoxatos+20 a questão do esfriamento global, porque depois da Europa e até parte da África ficarem congeladas com temperaturas negativas abaixo de 20ºC. Vão mentir para quem, mas como a manada de asininos é muito grande a Globo continua com a cantilena do aquecimento global. Estamos entrando numa mini era glacial (+- 20 anos) com esfriamento da terra, redução da atividade solar e consequentemente com mais secas para frente.
Esse ano a natureza mostrou que a mascara dos enganadores caiu, tanto que comentei com muitos colegas quando começou essa frente fria siberiana que era o começo do fim da maior mentira que aquela cadela da Margareth Tachter (hoje é uma decrépita senil) inventou para frear o crescimento dos países emergentes, pois temia o deslocamento das riquezas para esses países.

Rudnei Costa disse...

Ao anônimo das 18:36

É claro que precisamos pensar em controle da natalidade. Isso também é pauta de discussões. Você falou bem, falou sobre países miseráveis. Países miseráveis não pensam nisso pois não tem conhecimento ou capacidade para isso. Existem países que já se procupam com isso a muito tempo e reduziram, inclusive, sua população. Porém tenho certeza que você concorda que o crescimento populacional precisa ter gestão e políticas eficientes, não é mesmo??? Não podemos exterminar possíveis "excessos" populacionais!!!

Ao anônimo das 20:30

Fora e chega dessa revolta infantil sem argumentos.

Ao anônimo das 10:46

Você ainda não entendeu que o resultado de planos ambiciosos e necessários globais passam por iniciativas individuais, isto é, apenas faça sua parte e já estará fazendo muito. Se não consegue cuidar de um vaso de planta, apenas não atrapalhe quem quer fazer isso por você. Você também será beneficiado mas não precisa agradecer.

Ao Justiniano

É...pelo menos você já entendeu que esses assuntos de ecochatos são importantes porque se preocupam com secas, clima, chuvas, fome, produção etc. Tenho certeza que você já entendeu que isso reflete na vida de todos nós, não é mesmo?
Se o aquecimento global é uma farsa, tudo bem, mas vamos discutir isso e muito mais!!! Vamos falar de transporte e energias alternativas, de resíduos, de saúde, natalidade, desigualdede, recursos naturais e tantos outros temas.
Você tem conhecimento e interesse e isso é fundamental para o debate.
Parabéns!!!