Artigo - Agora, o Ministério Público Federal censura até o dicionário

- O artigo a seguir é de Hélio Schwartsman. Foi publicado nesta sexta na Folha de S. Paulo. O título da matéria é "Censurando o Dicionário".

Ou botaram alguma coisa na água do bebedor do MPF (Ministério Público Federal) de Belo Horizonte ou o parquet não sabe para que serve um dicionário.

É despropositada a ação civil pública que o MPF ajuizou pedindo a retirada de circulação do dicionário "Houaiss", porque a obra contém "expressões pejorativas e preconceituosas" contra os ciganos.
Entre as múltiplas definições para a palavra, constam "aquele que trapaceia, velhaco, burlador" e "agiota, sovina". Evidentemente, o "Houaiss" marca esses usos como pejorativos.

Não cabe ao lexicógrafo dar lições de moral ou depurar o idioma das injustiças sociais que ele carrega, mas tão somente registrar as acepções presentes e passadas dos vocábulos. Se deixa de fazê-lo, a obra torna-se inútil.

Por isonomia, o MPF deveria também mandar recolher todos os dicionários que trazem, por exemplo, o termo "beócio". Para essa palavra, o "Aurélio" registra: "curto de inteligência; ignorante, boçal". Se olharmos para a etimologia, descobriremos que estamos diante de um imemorial preconceito dos atenienses, para os quais os habitantes da Beócia não passavam de camponeses estúpidos.

CLIQUE AQUI para ler todo o artigo.

Um comentário:

Anônimo disse...

O Raimundão da foto é mais esperto do que parece, quando empaca ou senta em cima não é fácil pra tira-lo do lugar.

Como diz a musica:
"voce pensa que sabe tudo, valume sabe mais, vagalume acende a bunda, coisa que voce não faz"