Raquel Dodge repele recurso de Lula no STF e espinagra Glenn Greenwald

A chefe da Procuradoria Geral da República, Raquel Dodge, mandou recado ao STF, hoje, no qual avisa que não tem fundamento algum o pedido para anulação do julgamento do prisioneiro por corrupção Lula da Silva, pelo menos no caso do triplex.

Lula está preso

E bem preso.

Raquel Dodge também espinafrou os ataques orquestrados e criminosos contra autoridades federais, conforme revelações do site The Intercept.

CLIQUE AQUI para ler a íntegra do parecer.

8 comentários:

Anônimo disse...

Alô Polícia Federal!!! Na CARA DE VOCÊS!!!!! Isso é um verdadeiro ESCÂNDALO, onde UM LADRÃO CORRUPTO, de dentro da PRISÃO, CONTRATA os serviços do "jornalista" americano, PARA ESPIONAR AUTORIDADES DA LAVA JATO, ocasião em que o tal Glenn PRONTAMENTE aceitou a incumbência!! Quem são OS FDP do Judiciário que PERMITEM um bandido CONTINUAR A COMETER CRIMES DE DENTRO DA CADEIA? Pulhas desgraçados!!!!! VERGONHA, ESCÁRNIO!!! LULA DENIGRE O JUDICIÁRIO DE DENTRO DA CADEIA E MANDA UM LACAIO SEU COMETER CRIME!! TUDO SOB OS OLHARES DA PF!!!!!

Anônimo disse...

Escândalo!!!! Vergonha!! O Judiciário Brasileiro, VÊ PASSIVAMENTE UM CORRUPTO, de dentro da cadeia e na cara da PF, a CONTRATAR notório CONSPIRADOR a ESPIONAR Moro, Deltan e o TRF4!!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

A lava jato prestou uma serviço extraordinário ao país e deve ser apoiada sempre.

Anônimo disse...


A reportagem ainda informa que os dois foram ouvidos por videoconferência no dia 10 de março de 2017, uma sexta-feira, em audiências em que apenas a defesa do ex-presidente Lula fez perguntas. Naquela ocasião, Meirelles e Furlan disseram não ter observado qualquer atuação irregular do petista na presidência — os depoimentos foram breves, não duraram nem quinze minutos. Quando Moro passou a palavra ao MPF, Tessler limitou-se a dizer: “Sem perguntas”. As audiências foram encerradas pelo então juiz logo em seguida.

De acordo com as mensagens divulgadas pelo site The Intercept Brasil, Moro reclamou da procuradora a Dallagnol na segunda-feira seguinte aos depoimentos, no dia 13 de março de 2017: “Prezado, a colega Laura Tessler de vcs é excelente profissional, mas para inquirição em audiência, ela não vai muito bem. Desculpe dizer isso, mas com discrição, tente dar uns conselhos a ela, para o próprio bem dela. Um treinamento faria bem. Favor manter reservada essa mensagem”.

Anônimo disse...

Porque os recursos do luladrao pulam a fila e passam na frente dos outros e ninguém faz nada

Anônimo disse...

A procuradora do conselho de Moro: muda na sexta, banida na segunda:

FERNANDO BRITO · 21/06/2019 - O Tijolaço

Reportagem de Leonardo Lellis, na Veja, dá importantes pistas sobre as causas e as consequências da queixa feita por Sérgio Moro a Deltan Dallagnol sobre o comportamento da procuradora Laura Tesser, a qual,como revelado ontem, foi repassada pelo procurador ao colega Carlos Fernando dos Santos Lima.

E uma simples consulta ao calendário esclarece ainda mais o assunto.

Três dias antes da mensagem enviada por Moro, no dia 13 de março de 2017 (uma segunda-feira), Tessler participou dos depoimentos de Henrique Meirelles e de Luiz Fernando Furlan, ex-ministros de Lula, no qual os dois declararam jamais ter visto Lula praticar ou incentivar qualquer irregularidade no governo. A procuradora náo fez perguntas e limitou-se a dizer que não as tinha, ao final da audiência de ambos. Era o dia 10 de março, uma sexta-feira.

Portanto, no primeiro dia útil após o fato, Moro p´reocupou-se em desabonar o desempenho da representante do Ministério Público, da qual disse não sair-se bem em audiências e a quem recomendou que fosse submetida “a treinamento”.

No dia 15 de março, quarta-feira, segundo a revista o procuradores e Roberson Pozzobon já representava o MPF em audiências da ação do tríplex do Guarujá.

Laura Tessler “não participou de mais nenhum depoimento no processo que culminou na condenação de Lula na Lava Jato”.

A nota da Procuradoria, dizendo que Laura “participou normalmente” das audiências do caso, portanto, não se sustentam diante do cotejo das datas da reclamatória de Moro. Laura foi banida das inquirições sobre o caso, que terminaria com a condenação de Lula.

Anônimo disse...

E a milicada?
De pernas abertas para os americanos!! Kkkkk

Anônimo disse...

Moro utiliza revista Isto É para ameaçar com a PF o The Intercept e as reportagens da Vaza Jato:

21/06/2019 - Revista Forum

A revista Isto É desta semana publica uma reportagem repleta de ameaças baseadas em supostas investigações da Polícia Federal que poderiam, segundo o jornalista que assina o texto, mudar o curso das investigações da Vaza Jato.

O texto termina com a seguinte frase: “Quem acompanha as investigações assegura: se os indícios encontrados até agora se confirmarem, a PF estará bem perto mudar o rumo do rumoroso episódio que monopolizou as atenções dos brasileiros nas últimas semanas.”

O texto é assinado por Germano Oliveira, que publicou no seu Facebook uma foto dele com outros quatro jornalistas quando Lula foi preso. Na foto, ele dizia que estes profissionais teriam feito a diferença para que o ex-presidente fosse encarcerado.

Germano sempre foi tratado pela Lava Jato como um dos porta vozes informais da operação. E usou e abusou de “indícios” para acusar Lula e outros petistas. Quando trabalhava no jornal O Globo, Germano informou aos seus leitores que Lula passaria o revellion na cobertura do apartamento do Guarujá, que sequer estava pronto.