Saiba como Mateus Bandeira convencerá a Assembléia a aprovar projetos de recuperação fiscal do RS

Na conversa que teve ontem a noite com o editor e 12 convidados, o candidato do Partido Novo, Mateus Bandeira, explicou como acha que convencerá a Assembleia do RS a aprovar os projetos para ajustar as contas estaduais e retomar os pagamentos em dia , além de voltar a investir:

1) Falar a verdade durante a campanha eleitoral, deixando claríssimo o que será feito.

2) Pedir aos eleitores que votem em candidatos a deputado alinhados com este discurso.

3) Usar a força dos votos recebidos para que a Assembleia não lhe negue o estribo.

Mateus Bandeira, como secretário do Planejamento, foi um dos articuladores do Plano do Déficit Zero, que equilibrou as contas públicas gaúchas em menos de dois anos.

CLIQUE AQUI  e saiba mais sobrte Mateus Bandeira.

Leia mais na nota abaixo.

6 comentários:

Anônimo disse...


Perfeito a postura do Sr. Mateus Vieira. Infelizmente temos governantes que foram eleitos com promessas vazias. A questão é saber se apresentassem estes projetos na campanha eleitoral estariam eleitos?

Anônimo disse...

Bom dia Editor.
Elegeremos ele governador de mesa de bar.
Avante MateusH!

Anônimo disse...

Assim é fácil.
Sobre o espólio do Sartori,ele programou as medidas.
Assim é fácil.
Isso aí Sartori também vai pregar na campanha de sua reeleição.
Para que mudar?
Sartori é mais merecedor sobre as pré-condições que ele mesmo criou.
Sartori merece concluir seu trabalho.
Acho que Bandeira,com todo respeito,tá botando ovo no ninho alheio.
Ele que vá fazer o seu e deixe o do Sartori.
O perigo disso,é aparecer um Olvido da vida,e levar a eleição.

Anônimo disse...

Muito bom, jogo limpo, eleger junto quem pode viabilizar as reformas estruturais necessárias, venda de estatais, diminuição do quadro de funcionários, fazer mais com menos....

Anônimo disse...

kkkkk bandeirola o escambal quem é este cara , me ajuda ai

cadeia ja em dilmanta lurapio e temeroso

Anônimo disse...

Não adianta eleger um governador como se fosse o salvador. Se não riscar do mapa o entulho de comunas e retrógrados que lota a assembleia, tudo será como dantes no castelo de Abrantes.