Comissão Especial do Impeachment está reunida para decidir o cronograma do julgamento de Dilma Roussef

A Comissão Especial do Impeachment já examina a defesa de 370 páginas protocolada por José Eduardo Cardozo. Nela, o advogado chama 50 testemunhas e pede até perícias internacionais. Ele também pediu os áudios das gravações entre Sérgio Machado e Renan Calheiros, Sarney e Romero Jucá.

O relator, Antonio Anastasia propôs 21 depoimentos, incluindo o de Dilma. Na lista estão técnicos do Tesouro Nacional, Tribunal de Contas da União (TCU), Ministério da Agricultura; Banco do Brasil; Ministério do Planejamento; Comissão de Valores Mobiliários (CVM), além de Luciano Coutinho, ex-presidente do BNDES, e Júlio Marcelo de Oliveira, procurador do Ministério. Ele rejeitou a inclusão dos áudios das gravações e a maior parte dos pedidos de JEC.

Ao meio dia, a Comissão interrompeu seus trabalhos para almoço.

Esta tarde, aprovará o cronograma dos trabalhos daqui para a frente, o que inclui avotação de novo relatório. 

Uma vez aprovado o parecer da Comissão de Impeachment no plenário do Senado, Ricardo Lewandowski terá até 25 de julho para realizar o julgamento final de Dilma Rousseff.

No final do mês, o País estará livre de Dilma. O prazo para o julgamento foi encurtado na sessão de hoje da Comissão, tudo por proposta da senadora Simone Tebet, PMDB.

2 comentários:

Cap Caverna disse...

Dia 25 de julho.16, ficaremos livres da praga petista para sempre, mas teremos que tomar remédios diversos, para suportarmos este tempo aturando essa gentalha imunda fazendo discursos e poluindo o País. Remédios principalmente para o estomago e o fígado!

Anônimo disse...

Acho que ela volta.
Segundo um ministro do STF (quando foi aprovado que não haveria doação de empresas para campanhas eleitorais) o PT tinha muito dinheiro e que as doações não fariam falta.
Se não vai faltar dinheiro para campanha, será muito difícil convencer meia dúzia de senadores???