Falta de segurança produz linchamento de ladrão em Viamão

O virtual colapso dos serviços de segurança pública no RS acabaram produzindo, ontem, o que já se esperava: um homem foi agredido por moradores após um assalto, na noite deste domingo, em Viamão, na Região Metropolitana de Porto Alegre. 

O povo começa a se defender como pode.

A vítima, entre 40 e 50 anos, e um comparsa teriam cometido um roubo a um casal no centro da cidade. Cerca de 15 pessoas que estavam no local abordaram um dos bandidos e o espancaram até a morte. 


Pouco depois do linchamento, o outro  homem foi detido pela polícia. .

12 comentários:

Anônimo disse...

Políbio,

A população esta "equilibrando" as forças.

Antes, só os bandidos matavam. Agora ....

Tenho certeza que hoje aparecerão vários agentes do estado pedindo CALMA a população.

Todos eles com direito constitucional de usar uma 9mm na cintura.

JulioK

Anônimo disse...

A INSEGURANÇA SEMPRE GERA INSENSATEZ. MAS OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO DEVERIAM TOMAR MAIS CUIDADOS NAS SUAS MANCHETES.

O JORNAL NH LÁ DO VALES DO SINOS, ATÉ QUE FEZ UMA BOA REPORTAÇÃO SOBRE O ÓDIO NAS REDES SOCIAIS, MUITO PRÓPRIA E INTERESSANTE, MAS PARA A MINHA SURPRESA OUTRA MANCHETE CHAMOU A ATENÇÃO: BURAQUEIRA, A HERANÇA "MALDITA" DA CHUVARADA PELA REGIÃO. POXA SERÁ QUE NÃO PODERIAM SUBSTITUIR "MALDITA" POR OUTRA PALAVRA ?? INCOERÊNCIAS DA REDAÇÃO. PENA.

Anônimo disse...

Virtual?

Anônimo disse...

Isto já virou rotina no Maranhão.

Anônimo disse...

ISSO AI MESMO VAMOS VOLTAR PRO TEMPO DO FAROESTE , PORQUE SE PRENDER NO OUTRO DIA TA NA RUA FAZENDO AS MESMAS COISAS, JA QUE POLICIA E JUDICIÁRIO COM AS NOSSAS QUERIDAS LEIS NÃO FUNCIONAM VAMOS TER QUE NOS VIRAR .............

Anônimo disse...

Como disse um delegado na última sexta feira, a polícia prioriza o atendimento à ocorrências de maior monta ou com feridos, deixando o caminho livre para barbáries como essa. Sem lei, só há o caos. Se a moda pegar, estaremos voltando aos primórdios da civilização, do tipo olho por olho...

Anônimo disse...

'Momento é difícil, de extrema polarização e preconceito':

Atriz e apresentadora do programa Esquenta!, da TV Globo, Regina Casé, fez um alerta sobre o extremismo atual na sociedade: “Há muito tempo que eu não via isso. Acho terrível. Essa polarização vai dar, sem dúvida, em um lugar muito ruim, sob todos os aspectos, com todo tipo de intolerância: política, religiosa, racial… Estamos em um momento muito difícil”; ela também comentou a recente agressão sofrida por Jô Soares depois de entrevistar Dilma: “Acho que ele reagiu muito bem. Porque, do contrário, só aumenta a agressividade. Eu acho que, como na internet, todo esse tipo de intimidação deve ser tratada com o máximo de calma para que não cresça mais essa onda de violência....

Moral: Qualquer um do povo pode prender, segundo a CF/88, mas matar não. Não é a primeira que acontece e não é só contra bandido, matam gay, indigente direto. Tá na hora baixar a bola.

Anônimo disse...

As esquerdas fizeram o diabo principalmente nos últimos 13 anos de governo bolivariano, agora estão com medo das consequências de seus cínicos e insanos atos e estão pedindo serem tratadas com civilidade, o que nunca fizeram quando estavam por cima com o poder. Anônimo das 11:11h, quem com ferro fere, com ferro será ferido, inclusive a CNBB que de católica só tem o dinheiro que usa!

Anônimo disse...

Os mesmos que reclamam da falta de segurança são os que criticam os aumentos concedidos aos policiais militares e civis (que assim como os professores e profissionais da saúde são os servidores públicos que recebem menos no Estado) e são os mesmos que aplaudem o corte de horas-extra e a não inclusão do efetivo aprovado em concurso porque o Estado não tem mais receitas e quando se fala em vender estatais ou aumento de impostos, reclamam e reclamam... fazer o quê? Querem um serviço público de qualidade? Qualidade custa e custa caro.

Anônimo disse...

É a pura verdade mesmo.

Os que se enchem de prazer ao lerem notícias que atrasarão ou não pagarão os salários do funcionalismo... são os mesmos que reclamam de boca cheia a falta de eficiência do serviço público.

Se já está ruim... esperem quando deixar de ser prestação o serviço na área da saúde, educação e segurança.

Esperem pra chegar na frente da escola, na frente do posto de saúde e na delegacia... e estiver fechada...

Aí não venham vir postar mais besteira nas redes sociais.

O deserviço que é feito por este governo tendencioso é claro.

Privatizar a preço de banana algumas empresas públicas.
A prova está na nota sobre a Sulgás... R$500 milhões pelas ações..

Piada... e piada sem graça nenhuma... do tipo que sai da boca dum tal de tiririca de bombacha.

Anônimo disse...

Governador tucano Geraldo Alckmin fez acordo com PCC para cessar ataques de 2006:

Segundo informações do jornal O Estado de S.Paulo, reunião entre membros do governo estadual e Marcola foi feita dentro do presídio de segurança máxima de Presidente Bernardes

Representantes da cúpula do governo estadual fizeram um acordo com o chefe do Primeiro Comando da Capital (PCC), Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, para pôr fim à onda de ataques da facção criminosa, em maio de 2006. O depoimento foi obtido com exclusividade pelo jornal "O Estado de S. Paulo" e publicado na edição desta segunda-feira (27).(Aqui no blog tem várias postagens sobre o assunto)

Segundo informações conseguidas pelo periódico, a reunião foi feita dentro do presídio de segurança máxima de Presidente Bernardes. A declaração é do delegado José Luiz Ramos Cavalcanti, um dos um dos escolhidos pelo governo para participar do encontro em 2006 e que falou sobre o tema durante depoimento em processo judicial que investigou advogadas supostamente ligadas ao crime organizado.

Segundo as informações divulgadas pelo jornal, a proposta do crime organizado foi levada pela advogada Iracema Vasciaveo, então presidente da ONG Nova Ordem, que defendia o direito dos presos e, na época, representava o PCC: se os responsáveis pelo comando dos atentados nas ruas fossem informados de que Marcola estava bem fisicamente, que não havia sido torturado por policiais e que os presos amotinados não seriam agredidos pela Polícia Militar, os ataques seriam encerrados.

O recado deveria ser dado pelo próprio chefe do PCC. O papel de Iracema era convencer Marcola a aceitar a ideia.

A cúpula das secretarias de Segurança Pública e da Administração Penitenciária, cujos chefes na época eram Saulo de Castro Abreu Filho e Nagashi Furukawa, respectivamente, aceitou a ideia da advogada. O então governador, Claudio Lembo, autorizou o encontro.

Xi...Xii......Será que o governador Sartori, PMDB vai ter que fazer o mesmo que o Governador Alkmin, do PSDB do Estado de SP para que a população não faça justiça com as próprias mãos, anônimo da 11:57?

Anônimo disse...

Políbio,

O anônimo 11:57 fez uma análise precisa do momento.

Ninguém quer o caos no Serviço Público essencial, mas também não aguentamos mais imposto nas nossas costas.

Vejo o 11:11 e, principalmente, o 15:38 com AMEAÇAS a quem reclama dos funcionários públicos(aos maus, eu chamo de barnabés como no samba).

Podem pagar R$ 100 mil/mês para cada professor ou policial que não muda NADA na qualidade.

O RS já é a Grécia. Lá, mesmo sem dinheiro, a população ORDEIRA não explodiu.

Ameaça de PT_PAGO já não amedrontram o povão, viu 15:38.

JulioK