Saiba quem é o vereador Sgarbossa, PT, o homem que não quer empesa doando para candidatos

Marcelo, eufórico na sua bicicleta, que foi o símbolo da sua última campanha eleitoral.

Projeto de Lei do Legislativo - PLL 205/14

Proíbe o Executivo e o Legislativo Municipais de celebrar ou prorrogar contrato com pessoa jurídica, bem como com consórcio de pessoas jurídicas, que tenha efetuado doação em dinheiro, ou bem estimável em dinheiro, para partido político ou campanha eleitoral de candidato a cargo eletivo, por 4 (quatro) anos, contados da data de doação.

Quem votou sim: PCdoB, Jussara Cony; PDT, delegado Cleiton; PRB, Séfora Mota; PSB,Paulinho Motorista; PT, Mauro Pinheiro, Alberto Kopittke, Sofia Cavedon, Marcelo Sgarbossa e Comasetto; Solidariedade, Claudio janta. 

O vereador Marcelo Sgarbossa, PT, que emplacou ontem a noite seu projeto inconstitucionasl que proíbe que a prefeitura contrate empresas que fizerem doações para candidatos, terá que conversar com seu principal doador de campanha, a Avthomas Produtos Hortigranjeiros, para que não chegue nem perto do governo.

. 90,5% das doações de campanha do candidato do PT saíram de empresas.

. O Petrolão, que encurrala o Partido de Sgarbosa com as maiores denúncias de corrupção política da história brasileira, é todo ele constituído de grandes empreiteiras que inundaram os cofres dos candidatos do PT com dinheiro sujo.

. O vereador obteve 5.722 votos em 2012, gastando R$ 12,22 por cada um deles. Em 2008 e 2010, gastou menos e foi derrotado nas eleições para a Câmara e para a Assembléia.

CLIQUE AQUI para examinar a lsita de doadores de Sgarbosa , verificar como seu patrimônio cresceu e a quantidade de votos que obteve.

3 comentários:

Anônimo disse...

Mais um larápio petralha, corrupto, fazendo besteira, para usar uma palavra publicável!

Anônimo disse...

Até o Airton Michels doou grana pra campanha..o cara deve ser bom mesmo. Mais um que acerta quando deixa de fazer..!

Anônimo disse...

E o editor ainda divulga que "conteúdos ofensivos" não serão publicados no blog. Essa norma vale somente para defender os partidos que o editor apóia.