Dívida com a União: Conselhão do Tarso discutiu proposta que Dilma vetou no Senado

O Conselhão do Tarso reuniu-se esta manhã, mas o governador moderou o tom belicoso que vinha empregando em relação ao governo Dilma sobre o caso da votação do projeto que altera o índice de correção da dívida de IGP-DI para o IPCA, e reduz os juros da dívida de 6% para 4% ao ano (ou a taxa Selic se for menor).

. As discussões no Conselhão foram pautadas por retórica espalhafatosa.

.  A proposta de mudança foi aprovada pela Câmara e tinha previsão de análise pelo plenário do Senado no início de fevereiro, mas teve a votação transferida. Na ocasião, governador e uma comitiva de parlamentares gaúchos acompanharam de Brasília a possibilidade de o projeto ser votado, ma voltaram de mãos abanando, porque o governo vetou a votação.


- Corrigida pela fórmula atual, a dívida já aumentou 247,7% desde 1998 quando foi firmado o acordo. No contrato da época ficou combinado que as parcelas mensais não poderiam passar de 13% da receita líquida real e que as sobras também seriam corrigidas e pagas a partir de 2028. Atualmente a dívida supera os R$ 40 bilhões, sendo que após 2028 pelo atual indexador ainda restaria um resíduo superior a R$ 30 bilhões. Com a renegociação, o Estado continua pagando 13% da receita até 2028, mas abre espaço fiscal imediatamente e poderá chegar ao final do acordo com o saldo zerado. 

2 comentários:

Rudnei Costa disse...

O álibi da gastança de Tarso está indo água abaixo!!!

Anônimo disse...

Nossa oposição é ridicula, fraca e medrosa. Um caso desses em que eles(comunas ) fossem a oposição , garanto que já teriam derrubado o governador.Depois fariam pior, mas que derrubariam, isto tenho certeza!Esse Atraso Genro, é um buçal visionário! Deu pra ele.