Senado quer abrir ainda mais o mercado de TV por assinatura

O Senado já está bem adiantado na análise de um projeto que permite às empresas distribuidoras de canais de televisão por assinatura produzir conteúdo audiovisual. Seria o fim das restrições à propriedade cruzada, como o tema é chamado no setor.

A legislação atual impede, por exemplo, a formalização da compra do grupo Time Warner pela gigante de telecomunicações AT&T, que no Brasil é dona da Sky.

Uma das preocupações dos senadores é a ausência de vedações no texto ao acesso à fundos setoriais destinados ao setor como Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), o que abriria uma brecha para que empresas estrangeiras acessem esses recursos.

4 comentários:

Anônimo disse...

Tem que eliminar esses Fundos de investimento e eliminar as taxas que os constituem, para a grande maioria que usam esses Fundos deixarem as tetas e usar o que todos usam: bancos. Chega de tutela com nosso dinheiro para financiar apaniguados e "campeões nacionais". Vão trabalhar, vagabundos!

José Corrêa disse...

Tem que quebrar todos os monopólios!!!

Anônimo disse...

MELHORAR A RENDA da PLBE brasileira, já basta para abrir concorrência.

Anônimo disse...

Tem é que abrir o mercado, para aumentar a concorrência, terminar com os chamados combos e os pacotes prontos, os consumidores tem que adquirir o que desejam e não o que as empresas querem, o mesmo vale para as empresas de telefonia.