Hackers trocaram mensagens sobre fraudes bancárias que cometeram em São Paulo

As informações são de reportagem de hoje do Estadão.

O Coaf ajudou a Polícia Federal a ir atrás do dinheiro usado pelos hackers que roubaram dados de Dallagnol. Segundo a PF, após a quebra de sigilos bancários, autorizados pela Justiça Federal, os investigadores conseguiram rastrear 14 transferências bancárias de Delgatti Neto para o programador Thiago Eliezer Martins Santos, que foi preso na segunda fase da operação, no dia 19. Nas mensagens, o grupo trata de valores oriundos, segundo a PF, da prática de fraudes bancárias. Em 7 de maio, Delgatti Neto diz a Danilo Cristiano Marques, preso na primeira fase da operação, que havia pago valores a Thiago Eliezer: "Juro que paguei a parte dele, cheia ainda". Na mesma mensagem, Delgatti Neto encaminha três comprovantes que demonstram transferências nos valores de R$ 12,5 mil, R$ 4 mil e R$ 4,5 mil.

Em meio a várias mensagens, os hackers deixam escapar detalhes de fraudes bancárias cometidas pelo grupo. Essas mensagens foram fundamentais para a PF pedir a prisão dos demais integrantes da quadrilha.

4 comentários:

Justiniano disse...

Uma quadrilha essa IntercePT igual aos seus comparsa do PT.
Só tem bandidos e criminosos nessa turma, tudo uns endiabrados FDP.

Anônimo disse...

Hackers brasileiros "padrão Bento Carneiro, o vampiro brasileiro".
Não é toa que foram contratados à pedido do PT.

Chico Valente disse...

É so chegar o processo em instância bem superior e os tais criminosos estarão livres, leves e soltos.
Uma coisa é certa, há limites para a paciência do povo.

Anônimo disse...

Entre eles, mas não citam o Gleen, como o ANTAgonista gostaria?