A fidelidade do Podemos ao governo Bolsonaro é real, mostra Estadão

As queixas de eleitores bolsonarianos de que o Podemos só quer ganhar espaço á custa do governo Bolsonaro e apenas lhe cria dificuldades, foram desmontadas por estes números divulgados neste domingo pelo Estadão:


- A bancada na Câmara, com 10 integrantes, seguiu a orientação do governo Bolsonaro em 82% das votações no plenário.

O Podemos é liderado pelo senador Álvaro Dias e tem protagonizado papel relevante na defesa da CPI da Lava Toga e nas manifestações de rua de crítica ao STF.

6 comentários:

Anônimo disse...

Só não estamos vendo os planos do Guedes!
Existem??
Cáde os bancos do exterior?? Não ia abrir concorrência nesse setor??
Cadê o corte dos gastos públicos?? ?
Pq não faz como fez o Trump ( SHUT down) que cortou as regalias dos parlamentares e paga só o salário (que já é muito)?? ?
Cadê os carros usados sem imposto?
Cade o IPVA só na aquisição??
Cadê a revisão do IRPF
Para salário menor de 5 mil? Aliás, salário NÃO é renda!
Cade um plano?
É só a previdência???
Isso não funciona sozinho!!

Anônimo disse...

Podemos e Novo estão ajudando mais que o PSL.

Anônimo disse...

ESSE PRESIDENTE , PARA LIVRAR O FILHO , VENDEU A ALMA AO DIABO...

A DECEPÇÃO É TAMANHA , POIS FOMOS ILUDIDOS COM A BANDEIRA CONTRA

A VELHA POLITICA ,A FAVOR DA LAVA-JATO ,NOMEAÇÕES POLITICAS , E OUTRAS

CONVICÇÕES QUE FORAM UMA SINFONIA PARA NOSSOS OUVIDOS...MAS O PERIGO

É DESANIMARMOS E SE DESCUIDAR FUTURO ,VAMOS PERSEGUIR A IDEIA DE

RENOVAÇÃO , E EXIGIR VOTO EM PAPEL E DE DISTRITAL PURO



Anônimo disse...

Podemos está engulindo o PSL.

Anônimo disse...


Aliados do presidente acusam o partido, que tem atraído parlamentares descontentes com o governo, de se apropriar da operação e da popularidade de Sérgio Moro:

29 SET 2019 - Terra

Identificado como "partido da Lava Jato", o Podemos atraiu a ira do bolsonarismo, que vê em movimentos recentes da sigla uma tentativa de se apropriar do espólio da operação e da imagem popular do ex-juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça, e de enfraquecer a base de apoio do governo no Congresso. Na semana passada, uma postagem do vereador licenciado Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, escancarou o incômodo com o crescimento da sigla.

"É impressão minha ou esse tal de Podemos já faz bastante tempo quer tomar o lugar de um partido vermelho? A metamorfose não para um segundo!", escreveu Carlos no Twitter. No mesmo dia, parlamentares do Podemos participaram de um protesto em Brasília contra o Supremo Tribunal Federal, ao lado de grupos que, no passado, lideraram manifestações contra o PT - como o Nas Ruas, o MBL e o Vem Pra Rua.

O Podemos tem atraído nos últimos meses parlamentares da centro-direita descontentes com o governo. Só no Senado, foram seis novas filiações desde o início do ano, o que fez o partido pular para uma bancada com 11 nomes - só atrás do MDB, com 13 integrantes. Entre esses novos filiados, está a senadora Juíza Selma (MT), que deixou o PSL há duas semanas insatisfeita com posições recentes da sigla do presidente Jair Bolsonaro e depois de entrar em atrito com o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).....

Anônimo disse...

podemos está tirando parlamentares do PSL. Bozo vai acabar isolado e sem apoio. kkk