Saiba o que determinou a queda bruta da inflação do IPCA de junho


O IPCA de junho registrou variação de 0,01%, acima da expectativa do mercado (-0,03%). 

A alta em Vestuário e a variação maior do que a esperada em Higiene Pessoal foram os principais motivos para surpresa, segundo análise desta manhã dos economistas do Bradesco, que enviaram ao editor a sua newsletter sobre o assunto. Em relação ao mês anterior, quando o índice registrou variação de 0,13%, os principais determinantes da baixa foram os grupos Habitação e Transportes, por conta de deflações em energia elétrica e combustíveis. 

Os núcleos do IPCA (que excluem os itens mais voláteis) permaneceram em trajetória benigna, acumulando alta de 3,0% em doze meses. 

Com o resultado reportado, o IPCA acumulou variação de 3,4% em doze meses, corroborando um quadro de inflação em patamares confortáveis ao longo do ano. 

4 comentários:

Anti-Comunista disse...

Vai acontecer deflação.

Antonio Garcia disse...

Inflação baixa?????? Mas as Operadoras de Saúde fizeram os seguintes aumentos, nos três últimos anos: 14%, 14% e 17%, com negociação, pois a Agencia Nacional queria trinta por cento no último ano. A minha é Unimed, sou SPF e não tenho reposição desde o segundo ano da Dilma. Para onde vai esta inflação? Agora querem fazer como o seguro, só pagam as despesas hospitalares depois de um certo valor? Para onde foi esta inflação??? Esqueci, só Whisky estrangeiro e caviar entram no cálculo da inflação! Faça-me o favor Políbio!

elias disse...

Mas não precisa nem saber ler para observar o motivo da queda:ninguém tem dinheiro para comprar e os preços estão lá em cima!

Justiniano disse...

Esperem aprovar a reforma da previdência e teremos uma mudança nas expectativas dos empresários, com juros caindo, já falam na taxa Selic de 5,5% para setembro, os bancos vão ter que investir esse dinheiro na atividade produtiva e porque acabou aquela farra que o PT promoveu, em que os bancos compravam títulos a 14% e não aplicavam nada na produção. Agora os bancos correm atrás dos empresários com linhas de crédito.
Com inflação de 3,5% que é a inflação de países civilizados, a poupança irá para patamares menores que os atuais. No Japão uma aplicação na poupança somente é viável após 25 a 30 anos, porque o rendimento é de 0,5% ao ano. Hoje possuem 9 trilhões de dólares.