Governo Sartori protocola pedido de autorização para aderir ao RRF dos Estados

O governo estadual entregou esta manhã à Assembleia Legislativa quatro projetos: 

1) Busca a autorização para o Rio Grande do Sul aderir ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF).
2) Outros três que retiram a exigência de plebiscito para privatização de Sulgás, CEEE e Companhia Riograndense de Mineração (CRM). 

As propostas foram enviadas em caráter urgência e, por isso, passarão a trancar a pauta em 30 dias — o que vai coincidir com a última semana de trabalho do deputados. Portanto, haverá convocação de sessões extraordinárias.

O que disse o governador Sartori, esta manhã:

— Aderir ao regime significa um respiro para que o Estado consiga concluir sua travessia. Por três anos, com a suspensão do pagamento da dívida, R$ 11 bilhões ficarão a mais no Rio Grande do Sul 

Para assegurar três anos de carência na dívida com a União e autorização para um novo financiamento de R$ 3 bilhões, o Estado se comprometeu a adotar uma série de medidas duras. Entre elas, privatizações, prorrogação do aumento das alíquotas de ICMS e congelamento de salários dos servidores, que só poderão contar com a reposição da inflação.

5 comentários:

Anônimo disse...

Tudo bem.
Mas quanto vai custar não pagar 11 bi por 3 anos?
30 bi?
Para uma dívida que já foi paga mais de uma vez?

Anônimo disse...

Boa tarde...
Acho que as viúvas do Sartoron já podem arrumar discurso porque esses projetos ae não passam não...
Esperou quase 3 anos pra dizer a que veio...
Vender...vender...vender...
DNA DO PMDB...

Anônimo disse...

Mas não estregaram na Assembléia, e sim ao lado, estranho isso.

Poderá ser contestada esta entrega ?

Anônimo disse...

Sartori pretende atrasar os pagamentos em 6 anos, pra iniciar apagar. No próximo ano ele irá fazer vários financiamentos para o ano eleitoral.E daqui a 6 anos terá a dívida com os juros e claro, mais os financiamentos. Aí sim vcs irão ver um estado quebrado.

Anônimo disse...

Da-lhe Sartori, primeiro Governador reeleito do Rio Grande. Vamos patrolar os petralhas e seus partidos filiais e a pelegada dos Sindicatos. Esquerda nunca mais.