Governo Dilma diz que não tem solução para os 1.100 trabalhadores demitidos da Iesa

A juiza do Trabalho Lila França, titular da Vara do Trabalho de São Jerônimo, mandou o consórcio Tupi BV (Petrobrás, Petrogal e BG) e a Petrobrás pagarem imediatamente os salários e indenizações dos trabalhadores da Iesa. Como a Iesa quebrou, a juiza considerou que existe responsabilidade subsidiária de Petrobrás e Tupi BV.

Terminou sem solução a reunião marcada nesta quarta-feira no Palácio do Planalto, que tinha como objetivo discutir a crise na Iesa Óleo e Gás, Charqueadas, RS. O encontro deveria contar com a presença do ministro da Casa Civil, Aluisio Mercadante, que não apareceu e enviou um servidor da pasta para receber a comitiva gaúcha, formada por deputados, prefeitos e dirigentes sindicais. 

. O assessor de Mercadante admitiu, logo no início da reunião, que o governo Dilma Rousseff não tinha nenhuma solução para os 1,1 mil trabalhadores demitidos no fim de novembro, que estão com salários atrasados e sem o pagamento das rescisões.Diante da falta de encaminhamento prático para o caso, alguns parlamentares se retiraram da reunião. JerônimoGoergen disse ao editor que vai encaminhar um requerimento de convocação de Mercadante na Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados. Além dele, Jerônimo também pretende chamar o ministro de Minas e Energia, Edson Lobão, para que os dois prestem esclarecimentos sobre a crise na Iesa.

. A Petrobras rompeu o contrato de US$ 800 milhões que mantinha com a empresa na construção de 16 módulos para plataformas de petróleo. O impasse se arrasta desde o segundo semestre de 2013.

. A Iesa é uma das nove empresas alvo da operação Lava Jato da Polícia Federal, que investiga o pagamento de propina em troca do fechamento de contratos com a Petrobras.

2 comentários:

Anônimo disse...

que postura PETISTA, não ter solução??? É por isso que eles foram eleitos. O Partido dos Trapalhões, que representa e deveria defender os interesses dos trabalhadores NÃO TEM SOLUÇÃO. MAIS UMA PARA O MANUAL DO PT.

Anônimo disse...

A solução teria sido votar no Aécio. Agora não tem mais jeito.