Todos pela Educação quer mais debate sobre a reforma do ensino médio

Debate sobre reforma do Ensino Médio poderia ter sido conduzido de maneira melhor e mais ampla, aponta a organização em nota oficial.

Leia mais:

A reforma do ensino médio foi, sim, debatida com a sociedade, mas o debate poderia ter sido conduzido de maneira melhor e mais ampla. As mudanças nesta etapa de ensino são necessárias: o Brasil ainda tem 1,7 milhão de jovens de 15 a 17 anos que estão fora da sala de aula. Não era preciso adotar Medida Provisória para implementar as medidas, já que um projeto de lei com o mesmo objetivo está pronto para ser votado no Congresso. Tais opiniões estão em documento divulgado esta semana pelo Todos pela Educação (TPE), movimento que existe há dez anos e reúne gestores públicos, empresários, educadores, pais e alunos em prol da educação básica de qualidade gratuita.

O movimento, presidido e fundado pela mestre em administração pública Priscila Cruz, reúne nomes como Jorge Gerdau Johannpeter, José Roberto Marinho, Mozart Neves Ramos e Viviane Senna. A análise, que contempla os pontos mais polêmicos da reforma, foi feita pelo TPE com base no texto da Medida Provisória nº 746, publicada no "Diário Oficial" da União na sexta¬feira da semana passada.

CLIQUE no endereço a seguir para ler a análise na íntegra:
www.todospelaeducacao.org.br

Um comentário:

Anônimo disse...

Sugiro que estas pessoas que reclamam da rapidez da implantação destas medidas, que no dia que se detectarem uma doença grava, câncer, por exemplo, promovam debates, seminários e fóruns com diversos médicos durante anos até tomar uma decisão. Façam isso!
Para quem não sabe, o ensino médio está em estudo desde a época do Lula, imagina se o PT ia perder a oportunidade de procrastinar isso por mais uns 50 anos.