Ex-presidente da Sete Brasil admite ter recebido propina de R$ 2 milhões

Em carta enviada em março à direção da Sete Brasil, o ex-presidente da empresa João Carlos Ferraz admite que recebeu US$ 1.985.834,55 em propina dos estaleiros, mas não esclarece quem pagou; A companhia, que tem o BTG Pactual, do banqueiro André Esteves, como maior acionista, foi criada para produzir sondas do pré-sal e alugar os equipamentos para a Petrobras;.

Em delação, o ex-gerente da estatal Pedro Barusco, um dos delatores da Operação Lava Jato, disse que o esquema criminoso reproduziu-se na Sete Brasil

Um comentário:

Emmanuel disse...

E quem compunha o quadro de acionistas da Sete Brasil?
Entre eles, Bradesco.
De onde vem mesmo aquele ministro da fazenda?
Ah .... do Bradesco.