IAB do RS tira manifesto confuso e atrasado sobre a reconstrução do Mercado Público de Porto Alegre

O manifesto que vai transcrito a seguir, assinado pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil é uma das peças mais inúteis, atrasadas e desinformadas jamais publicadas até hoje pelo IAB do RS. O IAB já viveu fase melhor.

. Por partes:
1 - Os primeiros cinco parágrafos são todos dedicados a fazer um panegírico desnecessário sobre  a importância do Mercado Público, o desinteresse do IAB em apontar responsabilidades pelo incêndio e como são indispensáveis os arquitetos na vida da cidade.
2 - O pior mesmo está nos parágrafos finais do indigitado manifesto, nos quais o IAB coloca questões surpreendentemente improcedentes e descabidas:
a) Ao chamar a cidadania a refletir quanto às atuais priodades de obras e investimentos em obras da cidade ("que só beneficiam as grandes empresas e os megaempreendimentos"), porque talvez elas não ocorram em prol dos verdadeiros interesses da sociedade, o IAB ataca o que não vê e fala sobre o que não sabe.
b) Propondo que sejam paralisadas as atuais obras e os investimentos sejam direcionados para a área social, o IAB demonstra nada compreender sobre a formação e a execução do orçamento da cidade. 

. Ora, como se sabe, as obras em andamento na cidade foram todas  discutidas ad nauseam com a sociedade, tardam em sair e visam melhorar a vida de toda a população de Porto Alegre. Jamais, antes, em qualquer governo, tantas e tão necessárias obras públicas estiveram em andamento na Capital. 

. Os ataques às carências sociais da população podem e devem ser feitos com outro gênero de recursos, porque eles existem. 

MANIFESTO RECONSTRUÇÃO IMEDIATA DO MERCADO PÚBLICO
     O Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB RS) lamenta profundamente o incêndio que consumiu parte do Mercado Público de Porto Alegre. O Mercado representa o patrimônio e a memória de nossa cidade. A reação de consternação que tomou conta de todos diante de uma possível destruição total demonstra a importância deste edifício e de suas atividades para a população.
     Não cabe ao IAB apontar ou buscar responsáveis, mas neste momento histórico é nosso dever reforçar a importância que nossa cidadania dá ao espaço público e ao patrimônio arquitetônico e cultural.
     Os arquitetos são os profissionais habilitados para o estudo, conservação e promoção do patrimônio artístico, histórico, cultural e ambiental em nossas cidades.
     Lembramos o quanto o envolvimento dos arquitetos foi fundamental, a seu tempo, para a não demolição, o tombamento como bem cultural e o processo de restauração e qualificação deste importante marco na paisagem e na identidade porto-alegrense.
     Neste momento, reiteramos nossa disposição diante do poder público e da sociedade gaúcha para colaborar com as administrações e com a comunidade na recuperação do Mercado Público.
     Finalmente, chamamos a toda a cidadania a refletir quanto às atuais prioridades de obras e investimentos. Estão sendo postas em prol dos verdadeiros interesses do conjunto da sociedade?
     Precisamos exigir que os recursos disponíveis sejam alocados em prol do desenvolvimento social, e não em grandes obras de questionável necessidade à cidade, Estado e nação que parecem apenas vir em benefício das grandes empresas e mega empreendimentos.
     Por último, nos cabe lembrar o importante trabalho dos técnicos da Prefeitura de Porto Alegre no projeto de restauração e modernização do Mercado Público realizado em meados dos anos 1990.

6 comentários:

Campao disse...

Nos anos 60, o Jornalista Sérgio Porto,"o Stanislaw Ponte Preta" criou e publicou o chamado "FEBEAPA", o Festival de Besteiras que Assola o País. Estivesse ele ainda vivo,teria material para muitas edições de sua criação.
Tem cada uma.

Anônimo disse...

Deve ter sido redigido por algum estudante esquerdopata de ensino médio.

Anônimo disse...

O CREA saiu lucrando com a saída dos arquitetos de sua jurisdição, o progresso nunca anda lado a lado com tapirus terrestris diplomados!

Luiz Vargas disse...

O estado botocudo tem o IAB Botocudo que merece.
A vanguarda do atraso se "espraiou" pelas plagas botocudas como vírus.

Anônimo disse...

Não sei o que é mais babaca, se este tal manifesto ou o abraço simbólico em torno do Mercado Público.

Mauro de Curitiba disse...

Essa conversa de "nossa cidadania" e que as obras "parecem apenas vir em benefício das grandes empresas e mega empreendimentos e "recursos sejam destinados em prol do desenvolvimento social" denunciam de cara a mentalidade socialistóide-esquerdopata de quem redigiu, com cérebro de ameba, a referida peça ...
Estudar tanto tempo para se formar um asno.