Artigo, Samuel Pessôa, Folha- Gasto público se autofinancia ?


- Título original: "Qual é mesmo a divergência ?"

Moto-perpétuo é a crença de que o gasto público se autofinancia

Eu e Marcos Lisboa temos travado interessante debate com Nelson Barbosa sobre a economia do moto-perpétuo.

Moto-perpétuo é a crença de alguns economistas heterodoxos brasileiros de que o gasto público se autofinancia: o crescimento promovido pelo impulso fiscal mais do que compensa o efeito do gasto sobre o endividamento. No frigir dos ovos, a dívida como proporção da economia se reduz.

Exemplo de crença no moto-perpétuo encontra-se no texto "O papel do BNDES na alocação de recursos: avaliação do custo fiscal do empréstimo de R$ 100 bilhões concedido pela União em 2009", de Thiago Rabelo Pereira e Adriano Nascimento Simões, publicado na revista do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) em junho de 2010.

Os autores sustentam que o impacto dos empréstimos do BNDES sobre o crescimento e a receita de impostos mais do que compensa o custo fiscal das ações do banco. Temos a versão BNDES do moto-perpétuo.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

3 comentários:

Anônimo disse...

É simples.. barbosa afirma que a bosta do burro aduba a plantação de cenoura que sustenta o burro...e ainda sobra um pouco de cenoura para o povo...a ignorancia economica da turma da Dilma é aterradora...economia é coisa séria e é uma grande injustiça esse Barbosa não ter ganhpo um nóbel , com sua notável descoberta.... Nóbel que só os americanos ganham todo anos e nada sabem...Socialistas acreditam em fantasias e o socialismo termina quando acaba o dinheiro dos outros..... simples...

Anônimo disse...

O que economistas não entendem é economia é uma coisa negócios são outra!!! Economicamente falando 50 bilhões emprestados geram 70, 80 a 100 bilhões futuramente em impostos e um percentual de crescimento no pib. Então conclui-se que economicamente é viável. Agora falando em termos de negócios e vida real, não e porque vc tem 1 milhão para investir em um negócio que necessariamente esse negócio ira dar certo, é só vc analisar nas sua própria cidade quantos negócios abrem e fecham em menos de 2 anos. Para os economistas tudo está correto porque os negócios mesmo não dando certo a grande maioria honra seus empréstimos. Mas o que conta no final das contas são vendas, faturamento empregos e essa parte é perdida afundando assim a economia do país. De que adianta o governo ter um ganho em arrecadação e crescimento se não existe constância.

Anônimo disse...

Dr Polibio avise OS teus amigos : o perigo agora nao e' Lula e' sim Ciro Gomes