CEEE-D faz contabilidade criativa e escapa da extinção

O grupo CEEE resolveu praticar contabilidade criativa, contabilizando na CEEE-D a venda do terreno da sua sede para a CEEE-G.

Foram R$ 283 milhões.

O dinheiro entrou como receita no balanço de 2017, só agora publicado.

Isto permitiu mascarar o terceiro prejuízo seguido da estatal, que neste caso perderia suas concessões e quebraria.

12 comentários:

Anônimo disse...

Mentira. Atenção Ceee, processo no polibio.

Anônimo disse...

Não teve uma presidentA que foi catapultada do poder justamente por isso?

Anônimo disse...

Não é "contabilidade criativa"!`

É fraude contábil !!!

Anônimo disse...

O Políbio é fã da Oi e da chinesa RGE. Essas prestam.

Anônimo disse...

Quando é vendido um ativo não deve constar no balanço? As regras da contabilidade estão mudando rápido.

Anônimo disse...

O senhor é um velho senil!!!

Anônimo disse...

A venda em si nao seria um problema, mas o valor parece muito exagerado, nao pode valer tanto.

Anônimo disse...

Picaretagen jornalística, típica deste blog.

Anônimo disse...

Tá brincando?! O petralha Tarso deixou discípulos.

Anônimo disse...

Tinha um tempo em que pedalada dava impeachment...

Anônimo disse...

Alienou o ativo imobilizado, o produto da alienação é receita. Até aí, tudo bem. O estranho é o altíssimo valor, será que nao teve uma mão amiga da GT repassando valores acima do mercado para mascarar um "auxílio" para a coirmã?

Anônimo disse...

super salarios, depois vao gasta os dola no URugua