Análise, Reinaldo Domingos - Trabalhador corre mais risco ao usar FGTS para garantir empréstimos consignados

O uso do FGTS para garantir o crédito consignado, conforme foi aprovado na terça-feira pelo Senado Federal, esconde uma série de riscos. A ideia é que o trabalhador possa disponibilizar 10% do que tem depositado no seu fundo como garantia ao financiamento que está contratando. A primeira vista é um facilitador do crédito, contudo, estamos tirando uma garantia que o trabalhador teria a longo prazo.

A medida provisória (MP) que permite o uso do FGTS para garantir o crédito consignado, foi aprovada pelo Senado por unanimidade na terça-feira (12). Com isso, o trabalhador do setor privado pode oferecer até 10% do saldo de seu Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) como garantia para tomada desse tipo de empréstimo. O texto também permite que o empregado ofereça como garantia nas operações até 100% do valor que foi pago em multa pelo empregador, em caso de demissão sem justa causa.
Contudo, a proposta, que parece ser um benefício para população, esconde alguns problemas, pois é mais uma ferramenta de obtenção de crédito e que pode aumentar os já altos índices de endividamento da população, sem contar dificuldades que poderá gerar a longo prazo.
Muitos trabalhadores que utilizarão essa alternativa de crédito não percebem que o FGTS é uma garantia para o futuro. 

CLIQUE AQUI para ler tudo.

9 comentários:

Anônimo disse...

ESTA NA HORA DO POVO ACORDAR E NÃO FAZER MAIS DÍVIDAS.

SE AINDA CONTINUA INDA ATRÁS DAS PROPAGANDAS, AZAR O SEU.

Anônimo disse...

Mas os negócios são assim mesmo! Assume-se algum risco na esperença de obter ganhos. Ou não?
Se não for assim, diga aí qual é o negócio seguro e altamente rentável. Eu quero saber.

Anônimo disse...

Como as pessoas são facilmente influenciáveis, dentro em pouco começam a falar que a inadimplência esta diminuindo e os mais suscetíveis também querem entrar na 'onda' e pagar dívidas. É tudo questão de marketing.

Anônimo disse...

Taí mais uma coisa que ninguém lembra quando ficam histéricos cada vez que os vencimentos do funcionalismo público é reajustado, quase sempre abaixo da inflação: funcionário público não tem FGTS nenhum pra usar!

Anônimo disse...

O articulista tem toda a razão porém não devemos esquecer que o FGTS tem sido "pegado", "penhorado" e "esbulhado" pelo governo federal há 50 anos, desde que foi instituído. Se fosse corrigido de acordo com a inflação e taxa de juros adequada, os detentores do fundo teriam uma bela reserva para aposentadoria.

Anônimo disse...

O FGTS É DE QUEM TRABALHA E DEVERIA SER USADO QUANDO BEM ENTENDER.FRESCURA DE USAR SÓ NA APOSENTADORIA OU CASA PRÓPRIA.SE PUDESSE USAR O MEU,SERIA A SALVAÇÃO DA LAVOURA,QUITARIA TODAS MINHAS DÍVIDAS.USARIA IMEDIATAMENTE.DANE-SE O DIA DE AMANHÃ,O QUE IMPORTA É O HOJE,O AGORA.E O AGORA É QUE PRECISO DELE.OS POLÍTICOS USAM ELE DO JEITO QUE QUEREM,QUANDO QUEREM SE APOSENTAR,BASTA DAR UM TELEFONEMA E JÁ ESTÃO APOSENTADOS.O LADRÃO DO MERCADANTE,DIGO LADRÃO PORQUE É PETISTA,VAI GANHAR UM BELO SALÁRIO PELO RESTO DA VIDA E NADA FEZ COMO CIDADÃO,SEMPRE SE PREOCUPOU EM FAZER DOSSIÊS CONTRA SEUS ADVERSÁRIOS E PUXAR O SACO DA DILMA.ESTA TERRA CHAMADA BRASIL NÃO PASSA DE UM COCÔ MESMO.AQUI NEM DEUS É BRASILEIRO.ELE FICA BEM LONGE DAQUI.SÓ O DIABO QUE É O PT QUE FICOU E SE LAMBUZOU.O RESTO QUE SE LIXE.

Ismael Façanha disse...

Na economia de mercado, por ser dinâmica, não existe "longo prazo"; logo o FGTS tem de valer no "aqui e agora".

Anônimo disse...

É que você é muito inteligente, acima da média. A lei do fgts protege o menos preparado intelectualmente de torrar tudo e depois virar dependente de auxílio social.

Anônimo disse...

Esta é uma nova teoria econômica a ser debatida. Sistemas dinâmicos não permitem planejamento de longo prazo. Cada bobagem...