MP e Judiciário não devem aceitar vazamentos de delação, diz ministro investigado na Lava Jato

Em SP, Edinho Silva afirma que quebra de sigilo enfraquece democracia, vejam só. Mas o ministro diz ter mantido diálogo com empresários quando tesoureiro do PT.

A reportagem é de Rodolfo Tiego, do G1. 

Leia tudo:

O ministro da Comunicação Social, Edinho Silva, criticou neste sábado (16) recentes vazamentos da delação premiada que relacionam o nome dele e o da presidente Dilma Rousseff (PT) na Operação Lava Jato. Alvo de um inquérito no STF após delação do diretor da construtora UTC, Ricardo Pessoa,Silva também foi relacionado em uma troca de mensagens com o ex-diretor da OAS, Léo Pinheiro. Em ambos os casos, são questionados repasses para a campanha eleitoral de Dilma Rousseff, da qual o ministro foi tesoureiro.

Em visita a Ribeirão Preto (SP), Silva afirmou que as informações que chegam à imprensa estão fora de contexto e deveriam ser mantidas em sigilo para não atrapalhar o andamento das investigações. Para ele, o vazamento enfraquece as instituições responsáveis pelas apurações e o estado de direito.
"Não podemos permitir que aquilo que tem tudo para fazer com que o Brasil saia mais forte se desgaste por conta de vazamentos alimentados pela luta político-partidária", afirma.
saiba mais

Relatório da Polícia Federal divulgado na última semana revela uma troca de mensagens entre Edinho Silva, quando era deputado estadual pelo PT e presidente da legenda, e o ex-presidente da construtora OAS, Léo Pinheiro,um dos suspeitos de envolvimento no esquema de corrupção que atuava na Petrobras.

Outros integrantes do PT, dentre eles o ex-presidente Lula e a presidente Dilma, são também citados em depoimento prestado recentemente pelo ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.

"Você não pode aceitar. O Ministério Público e o Judiciário não podem aceitar que delações premiadas que sequer foram concluídas, que sequer foram homologadas, aceitas, sejam vazadas para a luta político-partidária. Isso é ruim para a democracia, isso não fortalece as instituições", diz.
O Ministério Público e o Judiciário não podem aceitar que delações premiadas que sequer foram concluídas, que sequer foram homologadas, aceitas, sejam vazadas para a luta político-partidária"
Edinho Silva, ministro da Comunicação Social

Silva confirmou ter mantido contato com empresários como Léo Pinheiro como parte de suas funções à frente da coordenação financeira da campanha à reeleição de Dilma.


12 comentários:

Anônimo disse...

Nóis semu tudu criminosu, mais queremu respeitu i olha qui u delcídio tem ministru du stf na mão, ele dissi!

Anônimo disse...

E o que é que a delação que está vindo a público agora estava fazendo nas mãos do Senador Delcídio Amaral?

Anônimo disse...

Oia aqui ô caipira de araraquara.. vazamento a favor nóis sumo a favor , mais vazamento contra nóis nóis sumo contra...e quem inventou isso na politica brasileira ??? foi o PT.... agora reclamam....mas vazamento contra o Cunha é legal ?....Lugar de petista é no inferno...fazer politica com petista é como jogar futebol e o juiz fazer apenas um time cumprir as regras...o time petista não precisa cumprir regra nenhuma.. já os adversários...

jorge alves ribeiro disse...

Por favor ministro Silva, para com essa conversa mole, acha que somos otários. Depois de tudo que saiu o senhor deveria ficar calado.

Anônimo disse...

NÃO DÁ NADA!
COMO NO MENSALÃO, O PT É O JUDICIÁRIO.

Anônimo disse...

Sr Polibio Braga:

A declaração dessa "coisa" é um mimo.

Saudações

Anônimo disse...

Políbio,

Roubar é liberado pelo PT.

Divulgar é crime para o PT.

JulioK

Anônimo disse...

Nuncauma frase fez tanto sentido quanto esta "vejam só quem está falando!"

Anônimo disse...

NOSSO sistema processual favorece o criminoso, ao contrário de países desenvolvidos como Portugal que fez condenações sem alarde, tem gente graúda presa e só falta um nove dedos.

Para que Juízes não fiquem sendo corrompidos é necessário que todos fiquemos sabendo, se for injustiça agente também nunca esquece.

Anônimo disse...

Ombudsman da Folha vê “vagueza” em “falação premiada”:

Jornalista Vera Guimarães Martins destaca publicações do jornal ao longo da semana que dão destaque a "negociações prévias de delação" premiada, como foi o caso de Nestor Cerveró, que citou Dilma e Lula no resumo das informações, mas mudou a versão no documento final, homologado pelo STF; "É uma mostra do quão movediço é o terreno pré-delação", observa Vera ....

PS: Alguém avisa o elemento de codinome JulioK que vazar contra o PT já é crime, mas se vazar alguma coisa do PSDB, DEMOs, PMDB, PPS, PSB a midia marrom glace não publica ou se publica oferece o direito da dúvida.

Anônimo disse...

Seria cômico se não fosse verdade. Esse bandido que achacou e pressionou todos os empreiteiros com contratos com o governo federal, quer ter moral para dizer o que pode e o que não pode ser sigiloso. Espero que logo, breve, para ontem, esse melliante vá fazer companhia para o zé e o vaccari, pois elles são experts em tirar, desviar e sumir com milhões e milhões de reais, principalmente se for para "campanhas políticas".

Anônimo disse...

STJ, gente de primeira qualidade.... e os parentes também!

https://twitter.com/Ary_AntiPT?t=1&cn=ZmxleGlibGVfcmVjc18y&sig=f20abc9041b6a43a21514fc4f50bb8f07acf02e8&al=1&refsrc=email&iid=7ed71c24c4ea4661b108b8bdc9a5339c&autoactions=1453052520&uid=1897917716&nid=244+123