Conheça os números de março sobre o espantoso crescimento de venda de imóveis em Porto Alegre

A taxa de velocidade de vendas (relação das vendas sobre as ofertas) de imóveis novos em Porto Alegre foi de 17,11% em março passado, superior à registrada em fevereiro, quando atingiu a 4,10%, segundo apurou a Pesquisa do Mercado Imobiliário da Capital elaborada mensalmente pelo Sinduscon-RS. Em relação a março de 2014, também houve acréscimo, uma vez que naquele mês a taxa foi de 6,71%.
          
A taxa média 12 meses de velocidade de vendas em março último atingiu a 8,75%, resultado levemente superior ao observado nos 12 meses fechados em março de 2014, quando foi de 8,54%.
          
Isoladamente, foram negociadas 673 unidades em março, num acréscimo de 364% na comparação com fevereiro, quando foram vendidas 145 unidades. Já em relação a março de 2014, o acréscimo foi de 116% pois naquele mês foram comercializadas 312 unidades.
          
Em termos acumulados entre abril de 2014 e março de 2015 foram negociadas 4.317 unidades, o que significa uma redução de 13,79% comparativamente aos 12 meses imediatamente anteriores, quando foram vendidas 5.002 unidades.

          
Em março último foram lançadas em Porto Alegre 526 unidades e o acumulado de lançamentos nos últimos 12 meses é de 2.115 unidades, um decréscimo de 46,93% se comparado com os 12 meses anteriores, quando totalizaram a 3.985 unidades.

8 comentários:

Anônimo disse...

Tá com um patrocínio bom, hein políbio?

Anônimo disse...

Tá com um patrocínio bom, hein políbio?

Anônimo disse...

ACHO QUE NÃO É BEM ASSIM.

PELO MENOS FAMILIARES CORRETORES AÍ NO SUL FALAM O CONTRÁRIO.

OU SERIAM CONTRATOS ANTIGOS AGORA REGULARIZADOS PARA FINANCIAMENTO ?

Gustavo disse...

olha uma bolhinha imobiliária a vista gente..
isso é só o começo!

Anônimo disse...

Estranho, nas principais praças do país está acontecendo o contrário.

Desabaram os negócios imobiliários e começaram os distratos.

Anônimo disse...

ESTÃO FUGINDO da POUPANÇA e de riscos para MAIS SEGURANÇA!

Anônimo disse...

Polibio, não se deixe enganar pelo Sinduscon. O único valor que interessa é a queda de 13,79% nas vendas. Se levar em conta os imóveis usados a coisa está pior ainda. Isso é só resultado imediato do desespero das empresas com descontos de 30%, eligações diárias para conhecer um "empreendimento". Agora com a exigência de entrafa de 50% que quero ver. Aí não esqueça de publicar a taxa de velocidade de maio, com um queda na faixa dos 400%...

Anônimo disse...

Certamente estes 673 imóveis vendidos em março devem ter ocorrido por causa de algum feirão, em que os imóveis são vendidos com preço "promocional" de 50/60% do preço "anunciado".
Ou seja, são vendidos pelo preço que mais ou menos valem.

Mas o anonimo acima tem razão: só mesmo os patrocinadores explicam a manchete de "espantoso crescimento" com base na ANORMALIDADE de vendas que ocorreu em março.