Artigo, Astor Wartchow - Germinação

- O autor é advogado, RS.

Muito além da exploração tributária, a população é tão “escravizada” pelo estado brasileiro de modo que nunca soube e nem aprendeu a “caminhar” com os próprios pés e cabeça, salvo raros exemplos.
      
Qualquer idéia e ação inovadora não prosperam livremente se não obtiverem a autorização e participação estatal. Há milhares de amarras legais e convencionais que determinam esta limitação.
      
Mas, admitamos, é também uma dependência sócio-cultural. E isto explica o mofado discurso que se repete a cada eleição. Indistintamente, todos os candidatos e partidos prometem ações estatais que viriam a transformar a nação.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

8 comentários:

Mordaz disse...

Gilberto Simões Pires já tem resposta. Acabar com os direitos adquiridos. Dividir as riquezas por igual entre todos. Terras, imóveis, depósitos bancários, investimentos...

Mordaz disse...

Parece que esta dependência se aplica aos declarantes do Imposto de Renda Pessoa Física no ano passado total de R$ 844 bilhões que ficaram livres do imposto em 2017. Um bolsa família rica.

Anônimo disse...

Tirar o Foro Privilegiado dos políticos e perder o cargo por promessas de campanhas não cumpridas, pode ser a solução a curto prazo. Basta o povo se mobilizar e fazer acontecer. Não é mais possível manter essa vergonha de Foro Privilegiado no Brasil, onde ninguém consegue botar a mão em quem pratica roubo do dinheiro público. Olhem o empenho que a Justiça brasileira faz para prender um político brasileiro.

Anônimo disse...

Extinção do Foro Privilegiado. É sabido que os políticos usaram essa ferramenta para a corrupção. Está na hora da Sociedade reagir, pois a corrupção destruiu o país. Todos somos obrigados a responder por nossos atos, inclusive com a prisão, menos os políticos que fazem o que bem entendem e nem a Justiça consegue colocar a mão.

Anônimo disse...

Todos defendendo a Educação do povo é uma solução a longo prazo, mas é um começo. Cursos profissionalizantes para os mais velhos. Ensinar o povo a caminhar sozinho. Centralizar os impostos nas mãos do governo é inaceitável. Devemos lutar para que os impostos fiquem onde foi produzido. O governo não produz nada, mas leva todo o nosso suor. Vamos à luta por um país melhor, sem corruptos e sem corrupção.

Anônimo disse...

O ELEITOR SÓ DEVE VOTAR EM CANDIDATO QUE EFETIVAMENTE JÁ TRABALHOU EM INICIATIVA PRIVADA QUER COMO EMPREGADO, EMPREGADOR OU AUTÔNOMO! NÃO DEVE VOTAR EM QUEM DA FACULDADE PULOU PARA A POLITICA, SEM SABER O QUE É TRABALHO DE VERDADE, EMPREGO DE VERDADE E IMPOSTOS DE VERDADE.

EXEMPLOS A EVITAR? MANUELA DA VILA, LUCIANTA GENRO, MARIA DOS MANOS, FELCHIONA, E OUTRAS EXCRESCENCIAS QUE NO MÁXIMO OPERARAM EM GABINETES, ASSESSORIAS, CCS, SINDICATOS E OUTRAS MUTRETAS!

Anônimo disse...

Tudo indica que Brasília se prepara para o golpe traidor das urnas é só poderão participar os queridinhos amigos corruptos.

Realista disse...

Tal estado de coisas nasceu no final do Império e início da República.
Basta verificar os personagens da época, socialistas e positivistas, que deram início ao sistema burocrático vigente - opressor, centralizador, vingativo, coibidor da livre iniciativa, promovedor dos privilegiados e tantos outros defeitos.
As pessoas normais tem a permissão de entrar nesse sistema apenas para trabalhar e gerar impostos pra os "escolhidos" pelo sistema danoso impetrado.
Nós brasileiros devemos adotar medidas realistas e drásticas, no campo político, se quisermos um futuro aos nossos descendentes.
A nossa falta de ação fará por aumentar a anônima ditadura do Moderno Príncipe, ditadura que já se manifesta entre nós através de membros dos poderes da República, porém nenhum eleito por nenhum de nós.