Darcy Francisco Carvalho dos Santos, Zero Hora - Crescimento da folha, a principal causa dos atrasos

A tabela é do editor. Na tabela, dá para perceber a total responsabilidade do governo Tarso Genro, PT, pela situação desastrosa atual das finanças públicas do RS.

Foram criadas despesas permanentes e crescentes sem que existisse receita

Além da crise histórica e da queda da arrecadação, a causa da dificuldade do governo do Estado em pagar os salários em dia está no crescimento desmesurado da folha de pagamento. A folha total passou de R$ 13,4 bilhões em 2010 para R$ 21,6 bilhões em 2014 e para R$ 25,3 bilhões em 2016. As duas primeiras datas referem-se ao último ano dos dois governos precedentes, da senhora Yeda Crusius e do senhor Tarso Genro.

É importante notar que nos anos 2011 a 2014 a folha cresceu R$ 8,2 bilhões nominalmente, num percentual de 61%, 2,3 vezes a inflação do período. Já a receita cresceu 40% no mesmo período. Portanto, para cada R$ 2 de incremento da receita, houve R$ 3 de crescimento da folha.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

40 comentários:

Anônimo disse...

Tarso Genro foi o único que deu aumento decente para a Segurança Publica.
Sartori ate' agora não deu R$ 1 centavo de aumento pro funcionalismo.
Ou seja, o funcionalismo esta' quase 4 anos com o salario congelado.
O que o Tarso fez foi "ajustar" os salários do funcionalismo com a realidade da época.


A receita do Estado pode crescer, basta o (des)governo Sartori colocar em pratica os projetos apresentados pelos servidores. Com certeza os projetos em pratica aumentarão a arrecadação para pagar as despesas dos próprios servidores. Porem, o (des)governo Sartori engaveta os projetos e faz esse drama que o Estado esta' sem dinheiro. Se o Estado esta' sem dinheiro, porque (des)governo Sartori não aceita a ajuda proposta pelos servidores????????????????????????

Anônimo disse...

E estamos pagando o resultado deste inepto com o pessimo estado das nossas estradas...desde a tal EGR...fdp.

Unknown disse...

O Tarso deu aumento e se não tivesse dado quem já recebe migalhas estaria recebendo hoje um salário mínimo, que o Estado nao paga nem este valor final do mês,melhor dar aumento pro funcionalismo que roubar e o que mais fazem estes politicos

Anônimo disse...

O Relator do TCE Cezar Miola não se importa com isso, para ele as fundações podem continuar existindo, recebendo religiosamente em dia seus salários e corrigidos anualmente pela força celetista que possuem. o Povo que fique a mercê de serviços básicos e essenciais, para sustentar fundações com atividades estranhas ao fim público e também o ócio da ineficiência.

Anônimo disse...

E tem as fundações celetistas que ganham em dia, sem ser parcelados e são reajustados todo ano por aumentos generosos. Tudo por força da CLT. porém não tem estabilidade , só que as corporações agitam para perpassar isso e manter tudo como esta.

Anônimo disse...

É a famosa média dos governos petistas vom os funcionários, esse pesdoal não têm responsabilidade vom os milhões de habitantes dos Municipios, Estados ou País.

Anônimo disse...

Esquerdalha só se preocupa com sindicalistas, pelegos e funcionários públicos, o estado e o contribuinte que se danem. E ainda tem gente que não é sindicalista, pelego e funcionário público que apoia essa catrefa, tem que ser muito débil mental.

Anônimo disse...

Pra funcionário Publico o importante é o aumento dado...o resto que se foda..quem reclamat que faça concurso para ganhar o direito de mamar na tetinha inesgotável do tesouro...agora eles estão vendo qye a teta não é eterna...E os derechos...tambem...cambada de ...

Anônimo disse...

É fácil aumentar salários e passar a conta pro sucessor pagar. Não discuto se é justo ou não, mas se é possível ou não o Estado arcar com os aumentos que foram dados. Evidente que a realidade sempre prevalece e esclarece: não foi possível!

Anônimo disse...

Quem criou a dívida do Rio Grande do Sul e um desabafo sobre a covardia de Sartori:

1 de agosto de 2015 - O Sul 21

Vamos lá: de governador em governador, desde os anos 70.

Euclides Triches aumentou a dívida do RS em 194%, <—
Synval Guazzelli em 36%, <—
Amaral de Souza em 79%, <—
Jair Soares em 39%, <—
Pedro Simon em 0,1%,
Alceu Collares em 24%, <—
Antônio Britto em 122%, <—
Olívio Dutra em -0,3%,
Germano Rigotto em 1,8%,
Yeda Crusius em -1%
Tarso Genro em por volta de 10% (não encontrei o valor exato).

Desabafo do Procurador Geral do Estado aposentado, Paulo Roberto Thomsen Zietlow (publicado no Facebook):

Um desabafo de quem perdeu a saúde trabalhando. O Sr. Sartori merece críticas não por ser o responsável por esta situação. Merece críticas por sua covardia e vilania. Deixou para avisar aos servidores públicos do parcelamento no último dia e sequer publicou os contracheques, com o nítido propósito de não recorrermos ao Judiciário. Aliás, publicou o contracheque com valores integrais para tentar dar alguma defesa processual ao Estado. Pagou em dia CCs políticos da AL, que só servem para fazer campanhas para estes políticos inúteis. Borrou-se para nos dar explicações, deixando o Estado sem a voz de seu comandante. Deixou o Banrisul, um banco público, cobrar dos servidores estaduais todos os empréstimos e juros, sem observar o calendário de pagamento parcelado. Desrespeitou os servidores, acima de tudo. Tenta vender a imagem de que seus Secretários também serão afetados é uma mentira: A MAIORIA DE SEUS SECRETÁRIOS SÃO DEPUTADOS E GANHARAM DA ASSEMBLÉIA OU DA CÂMARA FEDERAL, EM DIA. Não é pela falta de dinheiro. É PELA FALTA DE RESPEITO COM OS SERVIDORES! Deixou velhos e inválidos como eu sem grana para sequer comprar os remédios. Não teve o mínimo critério humanitário em suas escolhas. Esconde-se como guri de colégio que fez merda! É tão incapaz, que nem à herança maldita atribui o caos. Quanto ao Secretário Feltes, EU NÃO SOU TEU “COLEGA SERVIDOR”! Eu fiz concurso público. Não entrei no Estado fazendo conchavos e demagogias eleitoreiras como Vossa Excelência! Eu estudei. Não entrei pela portas dos fundos! Se não tivesse estudado, talvez hoje eu fosse um político como o Senhor. Felizmente, não sou. Tenho dignidade na cara. Já vi muitos inúteis serem Secretários ou até Governador, mas como este pessoal aí, eu não tinha visto ainda. Meu Deus, o que o Rio Grande fez! Este é o Timoneiro que conduzirá o barco avariado até um porto seguro? Hoje é um dos dias mais tristes da minha vida como servidor do Estado do Rio Grande do Sul. Dia igual, só vivi quando me comunicaram de minha triste aposentadoria.

Anônimo disse...

Deputado Capoani critica omissão de Tarso para grandes temas do RS:

Vice-líder da bancada do PMDB faz balanço com fortes críticas aos 100 dias de governo.

13/04/2011 - JBV Online

(...)

Agora o Piso é compromisso para os quatro anos e o Magistério acabou aceitando um reajuste que, na prática, representará menos de R$ 40,00 de “aumento” no salário básico! (...)

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Dep Capoani do PMDB criticando Tarso pq não pagou o piso para os professores em uma acada só...

Anônimo disse...

Policiais militares fazem protesto por aumento de salário no RS
Passeata pelo Centro de Porto Alegre contou com a participação de cerca de três mil PMs:

05/07/2013 - O Globo

PORTO ALEGRE — Aos gritos de “Vem pra rua”, um dos bordões mais usados pelas manifestações populares das últimas semanas em todo o país, cerca de três mil policiais militares e oficiais de nível médio do Rio Grande do Sul fizeram nesta sexta-feira uma passeata pelas principais ruas do centro de Porto Alegre para reivindicar aumento de salário.

Os PMs querem equiparação com oficiais superiores que, segundo as entidades organizadoras do ato, terão aumento superior a 100% até 2018. Os brigadianos alegam que o reajuste dos servidores de nível médio será de 43% até 2014, com o salário chegando a R$ 2 mil.

O ato foi batizado de Marcha da Dignidade. Segundo o presidente da Abamf, que representa os cabos e soldados da Brigada Militar (BM), Leonel Lucas, os praças da corporação têm um soldo inicial de R$ 548 acrescido de R$ 222 pelo risco de vida. O salário médio da tropa, com todos os adicionais, é de R$ 1,2 mil de acordo com ele. Policiais militares de 22 cidades gaúchas estiveram na passeata.

— É o pior salário do Brasil. O governador (Tarso Genro) se elegeu com nosso apoio, prometeu negociar mas até agora nada. Já encaminhamos pedido de audiência e nunca tivemos resposta — disse o sindicalista.

Dez entidades de policiais e servidores da BM organizaram o ato, que não teve apoio do comando. Os PMs, à paisana, percorreram várias ruas centrais e foram aplaudidos em alguns trechos. Faixas também faziam alusão à possibilidade de uma greve da categoria, incentivada pelas lideranças sindicais.

— Estamos dando um grito de alerta. Por que nós não podemos nos indignar também, como qualquer cidadão que sai à rua para protestar? — advertiu o presidente da Associação dos Sargentos, Subtenentes e Tenentes da BM, Aparício Santellano.

A marcha, que tinha como alvo a sede do governo estadual, não teve acompanhamento policial. Também não foi montado nenhum esquema de segurança para proteger o comércio de eventuais atos de vandalismo.

Vários trechos onde houve confrontos entre PMs e manifestantes nas últimas semanas fizeram parte do roteiro. No Palácio Piratini, apenas um contingente de dez PMs guarnecia o local. A passeata transcorreu sem incidentes. Os policiais foram recebidos pelo chefe da Casa Civil, Carlos Pestana.

De acordo com Santellano, muitos policiais da ativa participaram da manifestação, inclusive do Batalhão de Operações Especiais (BOE), que reprimiu manifestantes nas últimas passeatas de Porto Alegre.

— Nós enfrentamos marginais diariamente. Não nos custa enfrentar esse pessoal de colarinho branco que promete e não cumpre — disse.

Os PMs também incorporaram várias palavras de ordem das passeatas, como a vinculação de reivindicações com a realização Copa do Mundo de 2014. Além de equiparação salarial da tropa com os oficiais superiores, os PMs reivindicam uma carreira única para a categoria.

Atualmente, apenas os oficiais que cursarem a academia da BM podem alcançar o posto máximo de coronel na corporação. Soldados que entram por concurso só podem chegar a tenente, cujo soldo é de R$ 3,2 mil.

O soldo inicial de um coronel da BM é de R$ 8,4 mil. O governo informou que o salário médio dos PMs passou para R$ 1,7 mil em maio deste ano, mas os brigadianos reclamam que as vantagens não são incorporadas aos vencimentos e não contam para a aposentadoria.

Anônimo disse...

Cpers intensifica confronto ideológico com governo de Tarso Genro:

24 novembro 24 2011 - O Sul 21

Professores da Capital e do Interior, juntamente com estudantes e militantes do PSOL e do PSTU, transformaram a praça da Matriz, no Centro de Porto Alegre, na trincheira da oposição de esquerda ao governador Tarso Genro. Do caminhão de som, ouviam-se discursos que tentavam emparedar o Partido dos Trabalhadores à direita. Indignados, integrantes do Cpers se revezavam na exigência imediata do pagamento do piso nacional de R$ 1.187,00 e nas críticas às mudanças que o governo pretende pôr em prática no Ensino Médio público.

Os grevistas entoavam palavras de ordem como “Ô Tarso! Fora da Lei! De esperar eu já cansei!”. E sindicalistas subiam o tom nos discursos, acusando o governador de estar “à serviço do Banco Mundial e do capital internacional”.

As declarações evidenciam a ruptura que há entre o Cpers e o governo do PT. Apesar de ser presidido por uma petista, Rejane de Oliveira, o sindicato é comandado por uma coalizão que engloba PSOL e PSTU. E o ato de quinta-feira em frente ao Piratini deixou claro que esses dois partidos estão dispostos a ir para o embate ideológico com Tarso.

“Vamos erguer nossa voz contra esse governo que está à serviço da classe dominante”, vociferou um professor, enquanto outro se surpreendia com os atos da administração petista: “Jamais pensamos que estaríamos nos contrapondo a um governo que se diz dos trabalhadores”. (...)

Anônimo disse...

Na oposição, PMDB queria que aumentos salariais fossem ainda maiores, diz Tarso:

2 setembro 2015 - 0 Sul 21

Marco Weissheimer

Em uma nota divulgada pelas redes sociais na tarde da última segunda-feira (31), o ex-governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT), rebateu afirmações feitas na manhã do mesmo dia pelo governador José Ivo Sartori (PMDB), sustentando que a situação da dívida do Estado teria se agravado muito nos últimos quatro anos. “Estava em silêncio, observando as soluções ‘simples’ do Governo atual, mas sou obrigado a me manifestar pontualmente sobre a informação que o Governo Estadual fez circular, sustentando que a situação financeira do Estado se agravou nos últimos 4 anos. A informação não é verdadeira”, afirmou o ex-governador.

Em entrevista ao Sul 21, Tarso Genro volta a criticar a tese dos que pretendem imputar ao seu governo a responsabilidade pela situação financeira do Estado. “É um argumento de farsantes”, sustenta, lembrando que, aqueles que criticam hoje a “gastança” com os aumentos concedidos aos servidores, quando estavam na oposição, queriam aprovar reajustes ainda maiores. O ex-governador assinala ainda que a situação atual “dá uma boa lição no empresariado local”. “A creditavam que nós iríamos aumentar impostos, e Sartori, jamais. Foram engolidos, na crise, pelos seus próprios preconceitos.” (...)

Anônimo disse...

Secretário da Fazenda rebate críticas da oposição sobre finanças públicas do RS:

8 abril 2013 - O Sul 21

(...)

O governo gaúcho não tinha planejado contar com os recursos dos depósitos judiciais, segundo o secretário da Fazenda. Ele alega que, nos primeiros dois anos de governo não foi necessário, mas com os reajustes salariais dos funcionários do magistério e Brigada Militar, houve a necessidade de recorrer à legislação. “Existem R$ 8 bilhões em depósitos judiciais parados no Banrisul. A lei de 2006 autoriza o uso de parcelas majoritárias (85%). Esta lei deixa sempre um lastro para atender as demandas judiciais que entram. A lógica do sistema jurídico permite esta garantia”, explica.

(...)

“Na área da segurança pública, o valor empenhado em 2003 representou 10,22% da arrecadação do ICMS, enquanto em 2012 não passou de 9,21%”. Para Capoani, a origem do déficit orçamentário do estado não está nos reajustes salariais das categorias, como alegado pelo governo (...)

De acordo com o secretário da Fazenda, Odir Tonollier, a única herança do governo Tarso serão as recomposições dos funcionários que tiveram salários achatados nos governos anteriores e a ampliação nos gastos com a saúde. “Realmente, vamos terminar o governo gastando muito mais do que os governos que nos antecederam”, disse. (...)

Anônimo disse...

Anônimo disse...

Lembro de uma famosa frase do Brito em uma entrevista no Jornal do Almoço, enquanto justificava a retirava direitos dos funcionários do estado em projetos na Assembleia Legislativa:

"O funcionário publico se aposenta cedo, com mais saúde que o Mike Tyson"


Será que depois de 20 anos o Ex Governado Brito mais forte que Mike Tyson continua ganhando R$30.000,00 por mês de aposentadoria?

8 de setembro de 2017 13:50

Anônimo disse...

Filme da Lava Jato estreia com fiasco até em Curitiba:

Blog da Cidadania - 08/09/2017

Tudo foi armado para produzir um dia de tragédia para Lula. Na véspera, divulgação planejada milimetricamente de depoimento do ex-ministro petista Antonio Palocci se somaria à estreia de um panfleto caríssimo, com financiamento “secreto” que se dedica a acusar o ex-presidente.

Palocci cumpriu o acordo. Inventou uma tonelada de mentiras sobre o amigo de trinta anos, quem, até há pouco, manifestava descrença de que o hoje ex-amigo jamais praticaria o ato que praticou ao lhe fazer acusações terríveis sem apresentar uma mísera prova e sem, ao menos, dizer que pode provar as acusações que fez.

Já o panfleto em questão, foi bem menos eficiente.

A reportagem da “Gazeta do Povo”, jornal eletrônico paranaense sediado em Curitiba, bem que tentou colorir de alguma forma a estreia do panfleto multimilionário feito para ajudar a Lava Jato a destruir Lula e o PT, o objetivo único desse crime de lesa-pátria travestido de combate à “corrupção”. Mas não foi possível.

O silêncio da mídia sobre a estreia do filme sobre a Lava Jato – Polícia Federal, a lei é para todos – já insinua como foi a estreia do panfleto antipetista no Dia da Independência…

Ou alguém acha que a mídia não bateria bumbo se tivesse havido salas lotadas com multidões vestidas com camisetas amarelas esperando em longas filas para assistir à overdose de antipetismo?

A título da reportagem da tal “Gazeta do Povo” já diz tudo:

“Sem a lotação esperada, filme sobre a Lava Jato estreia bem acolhido pelo público”

O subtítulo também se esforça para dar a “boa notícia” que dez entre dez fascistas tupiniquins esperavam:

“Primeira sessão do filme Polícia Federal A Lei é Para Todos entusiasma espectadores em Curitiba. Filme estreou em 16 salas”

Porém, a matéria tem que falar do que não quer. Vamos a ela, pois.

GAZETA DO POVO

Sem a lotação esperada, filme sobre a Lava Jato estreia bem acolhido pelo público (...)

Anônimo disse...

É os governos PMDBosta só o que sabem fazer é roubar e vender o patrimônio público. Esse gringo de m. nem pra colocar piso da Tumelero presta.

JORGE LOEFFLER .'. disse...

Esse doutor economista deita falação do que bem conhece, pois um dos marajás aposentados pelo Estado.
Por que ele não fala sobre os bem mais de DEZ BILHÕES DE REAIS de tributos retidos no caixa de empresas que o misto de filósofo com humorista sem a menor graça, Sartori entregou como INCENTIVO FISCAL a certas ‘empresários’ e que agora ele, Sartori esperneia para que a relação dos seus privilegiados não seja revelada aos que contribuem?

Anônimo disse...

A Yeda foi a única que implantou o deficit zero.

Anônimo disse...

Então vai lá no TCE fazer panelaço pedir pra ele extinguir de vez essas fundações inúteis. Pede pra levar junto a EGR, DAER,IRGA e o sartori com seus CCs também! Nenhum desses fará falta

Anônimo disse...

Imbecil. Agora o Estado está quebrado por essas ações e outra do Populista do PT. De que adiantou dar aumento e agora não tem como pagar. Bem coisa de imbecil. Agora tem que aumentar ICMS, tem crime pq não tem presídio,...tudo por que im incompetente deu aumento alem do que podia. E outro imbecil que não aprendeu aritimética vem aqui defender.

Anônimo disse...

Chorem comunistas. A sua hora de pagar a conta vai chegar e sera grande. Ainda verei acontecer. Ha ha ha.

Anônimo disse...


Marchezan esta fazendo o óbvio de tão simples e que vai funcionar.

Fará publicação dos nomes de devedores de impostos na internet.

Na segunda fase os inadimplentes que também irão para a lista são os devedores de multas e taxas de menor valor, como pichação, descarte de lixo na rua, infrações ambientais e, possivelmente, de trânsito.

Aconselho a publicar a lista de empresas beneficiadas com isenções e benesses do dinheiro público.

Por que os governos não querem cobrar os devedores e acabar com as isenções se a crise é tão grave assim.

A Lei do Teto para reduzir a folha e a proibição de nomear CC's são primeiras medidas que nenhum governo faz.

Anônimo disse...



O Geddel apareceu com um montão de malas de dinheiro e ninguém da fiscalização se deu conta da falta de dinheiro. Não acredito nestes números que os governos publicam. Meu olhar é assim: O governo que sai mostra um balanço e o que entra diz que é tudo mentira, apresenta outro balanço. Então eu pergunto quem diz que estes números são reais? O TCE que não consegui fiscalizar as empresas que recebem isenção do governo do Estado. O TCE que ainda não se pronunciou se as contas de Fortunati estão corretas ou as que Marchezan esta apresentando. O mídia sempre induz conclusões de números fabricados pelos governantes.

Anônimo disse...

Funaro revela que Lobão Filho é sócio do grupo Bertin:

Brasil 08.09.17 21:10 - O Antagonista

Lúcio Funaro contou à PGR que Lobão Filho é sócio do grupo Bertin em pequenas usinas hidrelétricas no Pará.

O grupo tentou se livrar de uma multa da Aneel com influência de Edison Lobão, o pai, mas garante que não teve sucesso.

Sheila disse...

Ain..."Tarso Genro foi o único que deu aumento decente para a Segurança Publica. Sartori ate' agora não deu R$ 1 centavo de aumento pro funcionalismo"...Mas é claro, tchê. Comunistas gastam de forma perdulária e acreditam que o dinheiro está sobrando ou cai do céu...e depois quando vem a conta de tanta farra e irresponsabilidade com o dinheiro do povo, os "indignados" reclamam, como se o povão tivesse obrigação de dedicar seus suados impostos apenas para sustentar a inchada folha de pessoal, pouco ou nada sobrando para investir em saúde, educação e segurança, já que a mamação é tão grande que a folha pessoal predomina nas despesas. Isso que dá achar que o Estado é uma mãe rica com bolso sem fundo. Por isso comunismo nunca deu certo em lugar nenhum do planeta. Os adoradores de +Estado vivem num mundo utópico com suas fantasias socialistas, bem longe...muito longe da realidade. E o povão que se rale! Farinha pouca, meu pirão primeiro. E aí se vai abaixo a farsa socialista da "igualdade social", com os mais pobres sofrendo com a falta de serviços públicos decentes, pois os mamadores do Estado precisam viajar para usufruir os luxos capitalistas na Disney dos "imperialistas".

Anônimo disse...

Funaro entrega operação do Bertin no Rodoanel

Brasil 08.09.17 21:05 - O Antagonista

Lúcio Funaro contou em sua delação premiada, obtida por O Antagonista, que também atuou na Caixa para liberar R$ 2 bilhões para uma concessionária do grupo Bertin no Rodoanel de São Paulo.

A operação rendeu outros R$ 40 milhões para Funaro, Geddel Vieira Lima e Eduardo Cunha.

Anônimo disse...

Assembleia Legislativa aprova por unanimidade reajuste de servidores da Brigada e da Polícia Civil:

Vencimentos têm previsão de escalonamento entre 2012 e 2018

11/07/2012 - Zero Hora

Um dos temas que provocaram dor de cabeça no governo Tarso Genro no ano passado, o reajuste de salários dos servidores da Brigada Militar e da Polícia Civil foi aprovado nesta quarta-feira por unanimidade pela Assembleia Legislativa (...)

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Parece que a Bancada do PMDB (Feltz, etc) também votaram a favor do reajuste para a Segurança Pública...

Anônimo disse...

Com crise financeira, governador do RS aprova aumento do próprio salário:

JusBrasil

Em meio a um início de mandato marcado pela crise nas finanças, o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (PMDB), sancionou reajustes salariais para toda a cúpula dos três Poderes do Estado, incluindo um aumento de 46% sobre os próprios vencimentos.

Com a medida, o salário do governador passará dos atuais R$ 17.347 para R$ 25.322.

Também vão receber a mais deputados estaduais, juízes, desembargadores, conselheiros do Tribunal de Contas, defensores públicos e procuradores. Os maiores reajustes, de 64%, foram concedidos ao vice-governador e aos secretários estaduais, que passaram a ganhar R$ 19 mil.

Os novos valores tinham sido aprovados na Assembleia Legislativa no fim do ano passado, mas precisavam do aval do governador recém-empossado para entrar em vigor. A sanção foi publicada no "Diário Oficial" do Estado nesta sexta-feira (16).

Os salários do governador, do vice e dos secretários estavam congelados desde 2008. O governador anterior, Tarso Genro (PT), afirmava que a medida significava priorizar aumentos para o funcionalismo. Mas o secretariado anterior costumava ampliar os ganhos com adicionais por participações em conselhos de estatais.

A sanção do novo governador contraria o discurso de "medidas duras" contra a crise nas finanças feito na cerimônia de posse, há duas semanas. Como primeira atitude no poder, Sartori determinou cortes de gastos com custeio, o congelamento de nomeações de servidores e a suspensão por seis meses do pagamento de compromissos deixados pelo governo anterior. (...)

Anônimo disse...

GEDDEL TINHA ‘CONTA CORRENTE’ COM FUNARO:

Brasil 08.09.17 20:05 - O Antagonista

Em sua delação, obtida por O Antagonista, Lúcio Funaro contou que Geddel Vieira Lima “mantinha uma espécie de conta corrente” com ele e relatou que repassava os valores quando solicitado pelo ex-ministro.

Funaro entregou registros de pagamentos num total de R$ 11,4 milhões, como mostramos mais cedo.

Segundo o delator, ele e Geddel “não cessaram” suas atividades ilícitas na CEF, mesmo após a deflagração da Lava Jato, pois não tinham negócios com a Petrobras e achavam que o escopo da investigação não iria se expandir para outros setores”.

Quando assumiu a Secretaria de Governo de Temer, Geddel ficou com medo da exposição e pediu a Funaro para suspender os repasses – ele deveria receber então R$ 20 milhões de propina da operação da Alpargatas: “Dá uma segurada e depois nós acertamos isso aí.”

Os 11 pagamentos foram feitos entre 17 de fevereiro de 2014 e 13 de maio de 2015:

17/02/2014: R$ 650 mil

26/02/2014: R$ 500 mil

20/03/2014: R$ 800 mil

08/05/2014: R$ 1 milhão

25/07/2014: R$ R$ 1 milhão

29/08/2014: R$ 1,5 milhão

18/09/2014: R$ 3,25 milhões

01/10/2014: R$ 1,2 milhão

19/12/2014: R$ 500 mil

28/01/2015: R$ 500 mil

13/05/2015: R$ 500 mil

Anônimo disse...

Acontece que o Atraso Genro pensou que o PT iria se encastelar no Piratini e em Brasília, nunca mais sairiam (como na Venezuela) e a grana iria continuar jorrando livre e solta, que o governo federal seria uma eterna fábrica de fazer dinheiro que viriam principalmente do BNDES e da Petrobrás, e que continuariam financiando o projeto populista de poder bolivariano petralha. Queraram a cara, o Estado e o País!
Parabéns ao e todos os comuno/esquerdistas de merda que acham que dinheiro dá em árvore e fuderam com a vida de centenas de milhares de funcionários públicos estaduais!

Anônimo disse...

COMO TEM IMBECIL PALPITANDO SOBRE ECONOMIA AQUI.

IGNORANTES E ABESTADOS QUE DIZEM QUE O GOVERNO DEVE RETIRAR INCENTIVOS FISCAIS E COBRAR IMPOSTOS, "COMBATER A SONEGAÇÃO" E COISAS DO GÊNERO, QUE SE RESUMEM BASICAMENTE A METER MAIS E MAIS A MÃO NO BOLSO DO EMPRESARIADO E DO CIDADÃO.

APRENDAM DE UMA VEZ IDIOTAS: O RIO GRANDE DO SUL NÃO É ATRAENTE PARA EMPRESAS, É MAIS INTERESSANTE E VIÁVEL PRODUZIR EM SÃO PAULO OU ARGENTINA E DESPACHAR PARA CÁ OS PRODUTOS.

SE O GOVERNO DO ESTADO RETIRAR INCENTIVOS FISCAIS, AS EMPRESAS DAQUI FECHAM AS PORTAS, DEMITEM OS FUNCIONÁRIOS E VÃO PARA O NORDESTE OU SÃO PAULO, OU AINDA A ARGENTINA E URUGUAI.

E AQUI VAI APENAS RESTAR MAIS E MAIS DESEMPREGADOS E COM MENOS RENDA, O QUE POR SUA VEZ VAI REDUZIR AINDA MAIS O CONSUMO, O QUE POR SUA VEZ REDUZ AINDA MAIS E MAIS A ARRECADAÇÃO, AFUNDANDO DE VEZ O ESTADO.

É TÃO DIFÍCIL ENTENDER?

Anônimo disse...

NÃO É PORQUÊ AS BONECAS DO SERVIÇO PÚBLICO ESTÃO BRABINHAS RECEBENDO PARCELADO QUE O SETOR PRIVADO É OBRIGADO A SE CURVAR A SEUS CAPRICHOS E PAGAR MAIS E MAIS DINHEIRO AO ESTADO PARA SUSTENTAR SUAS MAMATAS E PRIVILÉGIOS.

AGRADEÇAM A DEUS PELA ESTABILIDADE E POR ESTAREM RECEBENDO, MESMO QUE PARCELADAMENTE. JÁ SE DÊEM POR SATISFEITOS E PRIVILEGIADOS POR ISTO.

AFINAL DE CONTAS, ALGUNS DE NÓS AINDA LEMBRAM MUUUUUITO BEM QUE O FUNCIONALISMO PÚBLICO EM PESO ELEGEU OLÍVIO DUTRA E TARSO GENRO PARA O GOVERNO ESTADUAL, E ESTES 2 SENHORES FORAM O MAIS NOCIVOS E DESTRUTIVOS (DES)GOVERNOS DA HISTÓRIA DO RIO GRANDE DO SUL.

OLÍVIO DUTRA DESTRUIU AS FINANÇAS PELO LADO DA RECEITA EXPULSANDO A FORD E VÁRIOS SISTEMISTAS (QUE CASO AQUI ESTIVESSEM, PAGARIAM IMPOSTOS O SUFICIENTE PARA NÃO HAVER PARCELAMENTOS). CRIOU UM CLIMA E IMAGEM NO RS TOTALMENTE REFRATÁRIO AO INVESTIMENTO E A INICIATIVA PRIVADA.

TARSO GENRO DESTRUIU AS FINANÇAS PELO LADO DA DESPESA, RECEBENDO O ESTADO SANEADO FINANCEIRAMENTE PELA GOVERNADORA YEDA, COM RECEITA E DESPESA EM EQUILÍBRIO. O ELEMENTO GASTOU O QUE NÃO DEVIA, CONCEDEU AUMENTOS SALARIAIS IRRESPONSÁVEIS AO FUNCIONALISMO PÚBLICO DE FORMA PARCELADA PARA O GOVERNO SARTORI PAGAR, DEIXANDO UMA BOMBA RELÓGIO FINANCEIRA ARMADA PARA SEU SUCESSOR E AINDA POR CIMA POSANDO DE BOM MOÇO PARA OS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS.

ESTA É A VERDADE ABSOLUTA E INCONTESTÁVEL. QUEM NÃO CONCORDA DEVE PARAR DE COMER CAPIM E ALFAFA A APRENDER A RACIOCINAR DIREITO.

Anônimo disse...

Bota ignorante. ..defender a imcomPetência e irresponsabilidade petista

Unknown disse...

Este Menino do Rio é um pródigo e perdulário do dinheiro público!!!

Anônimo disse...

Por que as panelas bateram contra Dilma e não batem contra Temer?

Alexandre Tambelli - 09/09/2017 - Jornal GGN

Observando o comportamento das classes média e médio-altas tradicionais e o silêncio das panelas no Governo Temer, apesar dele ser o Governo mais corrupto de nossa História, me propus a refletir e responder esta pergunta:

Panelas que bateram contra a "corrupção de Lula, Dilma e do PT" não batem mais. Então, bateram por quê?

​A resposta a que cheguei (sou um brasileiro pertencente a este estrato social, sou o típico paulistano tradicional, e que convive com essas duas classes sociais diariamente a 49 anos). São três razões centrais (principais) do bater panela com Dilma:

1) Medo da perda da distinção social, pela ocupação coletivizada dos espaços geográficos (shoppings, praias, aeroportos, Miami, barzinhos da Vila Madalena, restaurantes) e compras coletivizadas dos produtos de consumo (celulares I-Phone, perfumes, roupas de marcas, tênis tops, automóvel) pelas classes média e médio-alta tradicionais e os ascendidos sociais da Era Lula/Dilma - a chamada classe C.

2) Medo da concorrência no mercado de trabalho pela possibilidade dos pobres e remediados de chegarem ao Ensino Superior e concorrem com os ascendidos sociais até a Era FHC pelos postos de trabalho com melhor remuneração.

3) Medo de perder a exclusividade no processo de chegar ao topo da pirâmide social, ou seja, que só nós das classes média e médio-alta tradicionais tenhamos as ferramentas e o Capital inicial para chegar à condição de multi-milionários ou bilionários.

A corrupção, o mote das manifestações a favor do Impeachment de Dilma Rousseff, foi apenas um pretexto para a defesa da distinção social, da não concorrência no mercado de trabalho melhor remunerado e pela exclusividade no processo de chegar ao topo da pirâmide social.

Colocaram um Governo que breca a possibilidade de ascensão social e mantêm o status quo da Era pré-PT e as panelas se silenciaram, mesmo que vivenciemos no mundo real o Governo mais corrupto da História.

E você me pergunta:

E a meritocracia?

Esta nunca existiu nem vai existir, porque o mérito, sejamos sinceros, é confundido com o direito adquirido de ser distinto do brasileiro remediado e do brasileiro pobre, mérito de distinção fabricado de forma "divinatória" e pela "herança familiar".

Os de fora deste mundo fechado do brasileiro médio não receberam a Bênção Divina que os mereça capacitar a adentrar no Mundo dos homens de Bem(ns) e ocupar os mesmos espaços geográficos e consumir produtos iguais das classes média e médio-alta tradicionais porque não têm bons modos, classe, glamour e Educação.

Anônimo disse...

Relembrando "Operação Abafa" em 1997:

09/09/2017 - Enviado por Webster Franklin

Publicação de José Carlos Almeido

Em página do Facebook

O GLOBO
Segunda-feira, 19 de maio de 1997

Bastou o presidente Fernando Henrique Cardoso entregar os ministérios dos Transportes e da Justiça para Eliseu Padilha e Íris Resende e os peemedebistas fizeram as pazes com o governo. O Presidente da Camara Michel Temer (PMDB-SP), Eliseu e o líder do PMDB na Camara, Geddel Vieira Lima (BA) fecharam neste final de semana a estratégia de abafar o escândalo das denuncias de compra de votos na votação da rereiçã.

20 ANOS DEPOIS.....

Só lembrando, para aqueles que ainda insistem que a corrupção é um adolescente de 12, 13, 14 anos...

Anônimo disse...

AULER APONTA COMO AS DELAÇÕES VIRARAM A PANACEIA DA LAVA JATO:

REUTERS/Rodolfo Buhrer
Mecanismo da delação premiada, criado para ser um instrumento auxiliar em investigações "a partir da experiência da Operação Lava Jato, se tornou uma verdadeira "panaceia"', diz o jornalista Marcelo Auler; o que deveria ser um "indício", para o devido aprofundamento da investigação, passou a ser visto como prova; a palavra de um delator, que a princípio merece ser colocada em dúvida, ganha ares de verdade, inclusive para jornalistas", destaca; "Mas, a imparcialidade ao que parece anda em falta desde que a Operação Lava Jato caiu nas graças da grande mídia e do antipetismo de uma maneira em geral", destaca

9 DE SETEMBRO DE 2017

247 - O mecanismo da delação premiada, criado para ser um instrumento auxiliar em investigações "a partir da experiência da Operação Lava Jato, se tornou uma verdadeira "panaceia"', diz o jornalista Marcelo Auler. "O que, como ministros do próprio Supremo Tribunal Federal (STF) já definiram, deveria ser um "indício", para o devido aprofundamento da investigação, passou a ser visto como prova; a palavra de um delator, que a princípio merece ser colocada em dúvida, ganha ares de verdade, inclusive para jornalistas", destaca.

"Ela faz parte de um jogo em que retém o, às vezes, ainda suspeito, não por atender as exigências dos códigos legais, em benefício da investigação ou na defesa da sociedade. Mas pela necessidade de se conseguir de forma mais rápida – o tal "braço-da-preguiça" – algo que permita confirmar uma tese anteriormente levantada. A partir de então, pouco importa se o que o delator disse faz ou não sentido. Seja o que for, a delação passa a ter fundo de verdade", ressalta

Para ele, "se for verdade o que disse Antônio Palocci ao juiz Moro, este só deveria, de imediato, tomar uma urgente providência: solicitar ao Supremo Tribunal Federal que anule a delação feita pelos Odebrechts e os diretores do grupo empresarial de mesmo nome. Afinal, o ex-ministro da fazenda de Lula revelou reuniões das quais teriam participado Emilio e/ou Marcelo Odebrecht, que não constam do que os dois – bem como os demais diretores da empresa – delataram "espontaneamente" à PGR. Nenhum deles falou em "pacto de sangue" entre Emílio e Lula", avalia. "Ou Moro não pretende questionar a veracidade da delação que beneficiou pai e filho?", questiona.

Para Auler, os últimos desdobramentos acerca das delações premiadas do empresário Joesley batista e do executivo da JBS Ricardo Saud colocam novas "dúvidas e questionamentos com relação à delação de Joesley Batista, da JBS. Dela surge a certeza que Janot agiu açodadamente na expectativa de pegar o presidente Michel Temer. Pode ter lhe beneficiado, mesmo se sabendo que de inocente o atual presidente não tem nada", diz o jornalista.

"Mas, a imparcialidade ao que parece anda em falta desde que a Operação Lava Jato caiu nas graças da grande mídia e do antipetismo de uma maneira em geral. A começar pela própria Procuradoria Geral da República que, no papel de fiscal da lei e tendo a função de exercer o controle externo da Polícia, não exerceu nenhum dos dois papéis", observa. (...)

Anônimo disse...

Dallagnol e Carlos Fernando Lima, da Lava Jato, devem sair para o Senado em 2018:

9 setembro 2017 - DCM

Os procuradores Deltan Dallagnol e Carlos Fernando Lima, duas das estrelas da Lava Jato, estão no final das negociações para sair como candidatos pelo Paraná.

Eles analisam se saem ambos para senador, disputando com Gleisi Hoffmann (PT) e Roberto Requião (PMDB). Outra opção é Lima para deputado.

O convite é de Álvaro Dias, do Podemos. A justificativa da dupla para virar políticos de verdade todo mundo sabe: “A Lava Jato tem que ficar viva e vamos combater a corrupção por dentro”.