Artigo, Lúcio Barcelos - E os 12% para a saúde pública, onde estão ?

O médico sanitarista Lúcio Barcelos, em artigo que assinou no jornal Zero Hora, lembrou que o governador Tarso Genro anunciou em prosa e verso que o seu governo aplicaria 12% da arrecadação de impostos do Estado, deduzidas as transferências para os municípios, na área da saúde pública do Rio Grande do Sul, em 2013. Lúcio Barcelos poderia ter feito muitas outras perguntas sobre promessas descumpridas por Tarso, como a do piso salarial nacional para o magistério. Saiba qual foi a resposta a esta questão e muito mais sobre o assunto, lendo o artigo:

Aplicou? Não. Conforme dados e informações do Conselho Estadual de Saúde, o governo do Estado aplicou 8% do Orçamento em saúde. E para 2014 a previsão de investimento é de 10%. Bem entendido, é uma previsão. Executar esses 10%, mesmo em ano eleitoral, são outros quinhentos. O mais interessante deste fato é que ninguém fala dessa defasagem. Era 12%, mas aplicaram 8%. E daí. Fica por isso mesmo. É, no mínimo, estranho que ninguém se manifeste. Ou melhor, não é estranho. A chamada oposição ao atual governo, seguramente, deverá dar continuidade à mesma política de privatização. Portanto, melhor calar.

Na verdade, fica difícil falar em saúde pública, no Rio Grande do Sul, considerando que 84% dos leitos hospitalares são privados (filantrópicos _ 245 instituições, ou privados puros) e somente 16% são leitos públicos. E, neste cálculo, não estou considerando os 120 leitos do Hospital de Clínicas que são re..

CLIQUE AQUI para ler tudo.

6 comentários:

Anônimo disse...

O Tarso sempre foi uma fraude, é um farsante, desde a época em que era ministro da educação e inventou o piso do magistério que ele mesmo não cumpre. E pra que aplicar mais verba na saúde, se o programa mais médicos esta aí suprindo todas as carências na saúde do Brasil!
FORA COMUNISTAS DE M...!

Anônimo disse...

ONDE ESTÃO? O RATO comeu!

Cap Caverna disse...

Eu estou aturando esse governo incompetente, falastrão, enrrolão,safado, mas para mim nada disso é surpresa, pois sabia que fariam a maior bandalheira no RS, como estão fazendo no Brasil. Aqui, esse tal de Tarso Genro, é um verdadeiro buçal eloquente, que está mais para vigarista do conto do bilhete premiado, do que outra coisa, mas que encontra gentye que ainda acredita nele. Sgarbi capacho petista, estas sem opinião ou só atacas o editor. Para com a pedra energúmeno ruminante! E os outros PaTifes de segunda categoria, não querem opinar também a respeito das baixarias de seu comandante Atraso Genro?Já sei tudo é invenção do editor não é vermelhos castristas!

Anônimo disse...

Sonegação atingiu R$ 400 bilhões em 2013: os ricos irão para a Papuda?

Altamiro Borges, em seu blog

Estudo do Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda (Sinprofaz) divulgado na semana passada revelou que a sonegação de impostos em 2013 atingiu a soma de R$ 415 bilhões.

Ainda segundo a pesquisa, todos os tributos não pagos, inscritos na Dívida Ativa da União, ultrapassaram R$ 1 trilhão e 300 milhões.

Com esta grana, o Brasil teria condições de enfrentar os graves problemas nas áreas da saúde, educação e mobilidade urbana, entre outros.

Mas os empresários e os ricaços, os principais sonegadores, preferem criticar o “impostômetro” – até como forma de ocultar o criminoso “sonegômetro”. Eles sabem que nunca irão para o presídio da Papuda nem serão alvos da escandalização da mídia – até porque a Rede Globo ainda não mostrou o Darf do pagamento do seu calote.

A sonegação de R$ 415 bilhões somente no ano passado corresponde aproximadamente a 10% do Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todas as riquezas produzidas pelo país. O valor supera, com folga, os orçamentos federais de 2014 para as pastas da educação, saúde e desenvolvimento social – somados. Para uma simples comparação, o programa Bolsa Família investe R$ 24 bilhões ao ano para atender 14 milhões de famílias.

O que foi sonegado somente em 2013 pelos ricaços equivale, portanto, a 17 anos deste programa do governo federal. Segundo Heráclio Mendes de Camargo Neto, presidente do Sinprofaz, os altos valores “são sonegados pelos muitos ricos e por pessoas jurídicas (empresas), com mecanismos sofisticados de lavagem de dinheiro e caixa dois”.

PS: Dá para pagar os 12% da saúde e sobrar para Segurança e Educação.

Anônimo disse...

Mais um esquerdista esquizofrenico que pensa que hospital publico é a soluçao. Sao muito mais caros e ineficientes do que os filantropicos que prestam servicos ao sus, só nao contaram pra ele.

Anônimo disse...

O GATO COMEU...O GATO COMEU.. OU ESTÁ NA CASA DO SGARBI...QUEM SABE DO MARIANO.