Assembléia pode apurar denúncias de Fortunati sobre Da Camino

Ao verbalizar a desconfiança de que o procurador junto ao Tribunal de Contas do Estado do RS, Geraldo Da Camino, move-se além da conta por interesses políticos, o prefeito José Fortunati faz coro com o editor e com o ex-deputado João Luiz Vargas, que nos seus livros ‘Cabo de Guerra” e “Conspiração Rodin” registraram as ações heterodoxas dele contra os adversários do PT.

. Desde que o governador Tarso Genro assumiu o governo, Da Camino é candidato natural a uma vaga de conselheiro do TCE do RS. Seus antecessores no cargo, Celestino Goulart José Sanseverino, foram conselheiros.

- A Assembléia do RS pode e deve esclarecer as dúvidas, já que lhe cabe a fiscalização externa dos atos de Da Camino no TCE do RS.

8 comentários:

Anônimo disse...

Tem que entregar tudo para a Carris e ver quanto tempo dura sem pesados subsídios estatais.
Da Camino, Tarso, etc... são burocratas, assim como a Dilma, que quebrou uma loja de 1,99 nada sabem de administrar.
E o estado tá na mão deles !

Luiz Vargas disse...

Resumindo a história: será que existe algum deputado (a) corajoso (a) para colocar o guizo no gato?

Anônimo disse...

Os elementos que não gostar de ser fiscalizado pelo MP do Tribunal de contas que peça para sair do governo.

Surfista Prateado disse...

Não seriam interesses ideológicos daquela turma do pensamento único??

Anônimo disse...

É evidente que Da Camino se move por interesses políticos, por simpatias ou antipatias a alguns partidos, e por uma certa fascinação pelos holofotes.
Só não entendi o que a Assembleia pode fazer quanto a isso.

Anônimo disse...

Te passaram informação equivocada pois os citados não foram Conselheiros e sim Procuradores do então Ministério Público Especial atual Ministério Público de contas no qual o Da Camino é o atual e eterno Procurador-Geral. A vaga do MPC no Conselho pelo quinto constitucional já está ocupada pelo Conselheiro Cezar Miola atual presidente daquela Corte e oriundo deste mesmo Ministério Público de Contas, por consequência o tal de Da Camino jamais vai chegar a Conselheiro enquanto o Miola viver.

Sérgio disse...

Políbio, é de se lamentar que o Prefeito Fortunati tenha feito declaração tão absurda. Não esperava que o Prefeito, cuja honestidade e bons propósitos não se discute, se valesse da frase tradicional de políticos pegos em situação de delito: “as denúncias são movidas por interesse político”.
Registro, também, que teu texto contém informações incorretas: os antecessores no cargo não foram Conselheiros.
Da Camino nunca quis e nem quer ser Conselheiro. Aliás, a remuneração de Procurador do MPC é idêntica a do cargo de Conselheiro.
O perfil dele é o de acusar, na grande maioria das situações com respaldo em relatórios preparados pelo corpo técnico do TCE (sobre o qual ele não tem qualquer ingerência) e, por vezes, com base em manifestações elaboradas pelo reduzido grupo de técnicos lotados no MPC, diga-se, integrantes do quadro de auditores do TCE.
Quem o conhece e privou ou priva do seu convívio pessoal ou profissional sabe que ele não se move por ideologia alguma.
Da Camino não compactua com o desvio de recursos, com ilegalidades, irregularidades, erros, e com a esperteza de agentes que ocupam a função pública com o propósito de se beneficiar financeiramente.
Tivesse o serviço público mais Da Caminos e, também, mais Miolas (Presidente do TCE) e o Estado seria muito mais eficiente.
Sérgio

Anônimo disse...

Então Sr. Sergio! "nóis somo burro" ou é o sr. Da Caminho. Como dissestes, são outros, os teus colegas, "o corpo tecnico", que são da ideologia estrelada!