Movimento de Justiça e Direitos Humanos protesta contra escalada de violência política na Nicarágua

O líder gaúcho do Movimento de Justiça e Direitos Humanos, Jair Krischke, mandou e-mail ao editor, neste Natal, para reclamar das cobranças do editor a respeito de manifestações que o MJDH não estaria promovendo contra as tropelias do governo da Nicarágua.

CLIQUE AQUI para entender melhor o atual conflito na Nicarágua.

Krischke tem razão.

O editor está irritadíssimo com o silêncio obsequioso com que boa parte da mídia trata as invasões promovidas esta semana contra mídia de oposição em Manágua.

O MJDH vem denunciando há mais tempo a escalada de violência do governo de Daniel Ortega, conforme mostra esta carta aberta enviada aos ditadores de plantão:

Carta abierta de la Rel-UITA y el MJDH a Daniel Ortega y Rosario Murillo
La Secretaría Regional Latinoamericana de la Unión Internacional de Trabajadores de la Alimentación y Afines (Rel-UITA) y el Movimiento de Justicia y Derechos Humanos de Porto Alegre (MJDH)* se manifiestan sobre el gobierno de Nicaragua: “Vuestro desprecio por la juventud militante y rebelde que hoy expresa su inconformidad y hartazgo ante tanta violencia, camina de la mano con vuestro intento de echar en el olvido la propia gesta revolucionaria, sus héroes, cánticos y símbolos”.

CLIQUE AQUI par ler o inteiro teor da carta aberta.

12 comentários:

Anônimo disse...

MJDH é uma piada. Ninguem em sã consciência da crédito a essa instituição, que dirá então ditadores que são normalmente defendidos por esse tal movimento de justiça e direitos humanos.

Unknown disse...

Bah, vai coçar as tuas pulgas, tchê.

Cris disse...

Acho correto todos os Movimentos , Associações e Conselhos protestarem contra cerceamento de liberdades democráticas em qualquer país , em qualquer lugar do mundo , em qualquer época , mas acho imprudente ( e muito deselegante) envolver posses de presidentes (tenha ele a orientação que tiver) e seus cerimoniais nisto...

Anônimo disse...

Da mesma forma que se calam em relação às violações de direitos humanos em Cuba, Venezuela e Coréia do Norte.

Anônimo disse...

Onde estava o MJDH, com as mortes na Venezuela, onde o governo ditatorial do maduro, fuzila o povo nas ruas e tortura e mata nas prisões.....?????

Anônimo disse...

Na venezuela eles nao percebem nada?
Os presos políticos em Cuba já receberam alguma visita desse senhor.
É uma ipocresia sem igual

Anônimo disse...

Na venezuela eles nao percebem nada?
Os presos políticos em Cuba já receberam alguma visita desse senhor.
É uma hipocresia sem igual

Anônimo disse...

Movimentos deste tipo são braços do globalismo que quer destruir a identidade cultural e a liberdade de expressão de povos que querem alguma autonomia. Na verdade cinicamente nos querem escravos.

Anônimo disse...

Essa gente dos Direitos Humanos são um lixo igual a ONU, servem ao comunismo.
São um lixo.

Anônimo disse...

Quem acompanha a história do MJDH e do Jair Krischke, que se confundem, sabe que em nenhum momeamento se misturou o movimento com política partidária, e do PT, em especial. Desde o famigerado governo Olívio que ele vem denunciando as contradições desta gente. É profundamente injusto comparar o comportamento e a história do Jair com a da Maria do Rosário, por exemplo. Enquanto a Rosário oportunistamente se cala para a Nicarágua, o Jair tem coerência e honestidade suficiente para denunciar os crimes do tiranete esquerdista.

Anônimo disse...

O PCC, Partido Comunista Cubano já conseguiram seu intento na Venezuela e agora na Nicarágua, aos poucos o PCC vai conseguindo seu objetivo que é a criação da Grande Pátria com a capital em Havana, lógico, para onde irá os impostos de todos os otários da America Latrina, aí gritarão em alto e bom som, o comunismo deu certo em Cuba.

Justiniano disse...

Espero que comecem a eliminar a imprensa que tem viés de esquerda e sempre apoiam no início esses comunistas nos seus países e depois que o pau come, vem pedir socorro pro mundo. Viram um bando de ratos fugindo da opressão.

Aqui fizeram a maior palhaçada com aquela jornalista da Folha, Patrícia Campos Mello comunista, tanto que essa se declarou ser do PT, que fez reportagens mentirosas e caluniosas sobre Bolsonaro e vem dizer que está sendo perseguida. Esses lixos de jornalistas da mídia mainstream que apoiam esses socialistas comunistas tem ser desmascarados.