Servidores do Executivo receberão salários de maio em sete parcelas

O governo Sartori informou hoje para a editoria de Política da RBS que pagará R$ 3 mil aos servidores do Executivo e o restante do salário de maio depositará nas contas em seis suaves prestações.

O secretário da Fazenda, Giovani Feltes, e o governador, não sabem quando o tormento dos servidores vai acabar.

Ontem, na Federasul, o secretário da Segurança foi mais explícito ao falar sobre a incapacidade financeira do governo do RS:

- Tudo melhorará quando ocorrer o ajuste fiscal.

Que ninguém sabe como será feito e nem quando terminará.

9 comentários:

Mordaz disse...

Mas ainda assim receberão. Porque os demitidos na iniciativa privada não receberão nada.

Anônimo disse...

SECRETÁRIO DE SEGURANÇA NÃO SABE GERIR A PASTA DA SEGURANÇA... E AGORA DANDO PITACO EM FINANÇAS...., POR FAVOR...

ESSE WANTUIR É UMA AMEBA... A TAL MÚMIA PARALÍTICA... SANGUE SUGA DO COFRE DO ESTADO...

NÃO FEZ E NÃO FAZ NADA...

SE VIEIRA DA CUNHA ESTIVESSE NA PASTA DA SEGURANÇA NÃO ESTARIA TÃO RUIM COMO ESTÁ..


ESSE SENHOR É INERTE... E SUAS TEORIAS DA VIOLÊNCIA SÃO PRA BOI DORMI E CRIANÇA DO JARDIM DE INFÂNCIA RIR.

Anônimo disse...

Temer e os áudios: por que a Lava Jato preocupa também o governo interino:

24/05/2016

Quarenta e um dias separaram as fases 28 e 29 da Operação Lava Jato, deflagradas respectivamente nos dias 12 de abril e 23 de maio. Foi tempo suficiente para que a Câmara dos Deputados aprovasse o prosseguimento do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff e o Senado afastasse a petista do cargo. E para que a militância de esquerda se apressasse a espalhar pelas redes sociais a teoria de que a Lava Jato havia arrefecido porque o PT estava fora do poder. Nada mais falso. Não apenas a operação segue irrefreável como seus desdobramentos seguem a preocupar o governo. Desde segunda-feira Temer já perdeu um ministro gravado enquanto sugeria um 'pacto' para frear a Lava Jato e tem agora diante de si outras duas importantes figuras do PMDB pilhadas em diálogos constrangedores com um investigado pela operação.

Ligado à alta cúpula do partido do presidente interino, o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, alvo da Lava Jato, gravou conversas com três caciques do PMDB: o presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), o senador Romero Jucá (RR) e o ex-presidente José Sarney (AP). Indicado por Renan ao cargo na subsidiária da Petrobras, Machado foi o dirigente que mais tempo se manteve no posto - de 2003 a 2014. Ele acaba de ter seu acordo de delação premiada homologado pelo Supremo Tribunal Federal. O áudio dos diálogos travados com Jucá, divulgado pelo jornal Folha de S. Paulo na segunda-feira, derrubou o peemedebista do ministério do Planejamento após apenas doze dias no cargo. Mas mais do que o conteúdo já divulgado dos grampos, preocupa a legenda o que ainda está por vir - nos bastidores, avalia-se que novos diálogos devem complicar ainda mais a vida de Renan e até de peemedebistas que se livraram de integrar a primeira 'lista de Janot'....

Anônimo disse...

É castigo para eles não puderam pagar o ipva.

Anônimo disse...

Um ano e meio e Sartori não privatizou nada !!! O que está esperando? Será que ele virou bolivariano?

Anônimo disse...

Políbio,

Eu sei: - NUNCA MAIS!!!

Caso o Sartori(ou os próximos) não CORTAREM pensões e enxugarem a folha, nunca mais receberão em dia.

Não tem saída. Abram a "cabeça". ACABOU O PASSADO(ironicamente falando)!!

JulioK

Anônimo disse...

Em SEIS, meu! Sartori tem caridade.

Anônimo disse...

Normal. Todos devem ficar de bico calado, votaram em peso no Tiririca da Serra. E o Tiririca não prometeu nada.

Anônimo disse...

Vamos criar o IPPS - Imposto para pagar Salários