Artigo, Jorge Pontes, O Globo - Os governos Dilma e Lula institucionalizaram o sistema de corrupção no Brasil

Neste artigo, intitulado "Corrupção sistêmica institucionalizada", Jorge Pontes constata que enquanto o crime organizado viceja na letargia da gestão pública, o ‘crime institucionalizado’ é fruto da própria ação estruturada e pensada de um grupo de homens no poder.

. Leia tudo:

Com os últimos fatos trazidos à luz pela Operação Juízo Final, sétima fase da célebre Lava Jato, a sociedade brasileira vem assistindo, ainda sem entender suas dimensões, ao surgimento de mais um flagelo — quase — endêmico do nosso país; digo "quase", pois alguns países africanos também a experimentam.
Trata-se do que podemos denominar de “crime institucionalizado". Tal fenômeno, que adquiriu contornos marcantes, que o diferenciam conceitualmente do crime organizado convencional, merece urgente atenção não apenas das autoridades policiais, do Ministério Público e do Judiciário, mas, sobretudo, da imprensa e da sociedade como um todo, pois sua sedimentação tem a capacidade de minar as possibilidades de desenvolvimento nacional.

Ao contrário do crime organizado, já rebaixado à delinquência juvenil, o “crime institucionalizado" não lança mão de atividades ilegais, como o tráfico de drogas, de armas, o jogo ilegal etc. Esse novo flagelo utiliza-se apenas da plataforma oficial, dos governos das três esferas, do estamento público, dos ministérios da República, da política partidária e das regras eleitorais para prospectar e desviar fortunas do erário.

CLIQUE AQUI para ler mais. 

Um comentário:

fred oliveira disse...

O pt deseja que a população encare como normal a corrupção mas, não será assim. Pelo menos para uma boa parcela da população. Ainda que anteriormente roubos como esses houvessem ocorrido ( tudo indica que, como esses não ocorreram ) um crime não justifica o outro, principalmente advindo de um partido que, em seu longo tempo como oposição acenava com uma política decente. Mentiu descaradamente para a população.