Sardenberg explica por que os médicos cubanos estão presos lá e cá

O colunista Carlos Alberto Sardenberg pergunta no jornal O Globo de hoje: "E se algum cubano entrar, por exemplo, na embaixada dos EUA e conseguir refúgio, o que fará o governo brasileiro?". Leia o artigo a seguir e entenda por que razão existe toda esta grita em relação aos cubanos:

O problema não é que sejam médicos, muito menos cubanos. O problema é o método de contratação, que convalida grave violação de direitos humanos.

Importar trabalhadores é normal. Importam-se, por exemplo, os melhores profissionais, para agregar conhecimento e expertise às práticas locais. Ou se traz um tipo de trabalhador que não se encontra no país importador. Ou ainda pessoas que topam salários e serviços que os locais não aceitam.

Este é o caso da importação de médicos pelo governo brasileiro.

CLIQUE AQUI para ler tudo.
CLIQUE AQUI, também, para ler o blog de Aluizio Amorim, no qual ele conta que sete médicos e uma enfermeira cubanos que fugiram da Venezuela, processam os governos de Cuba e da Venezuela, mais a petrolífera venezuelana PDVSA, por imporem contra eles um gênero selvagem de trabalho-escravo. A demanda corre num tribunal de Miami e envolve US$ 50 milhões.
CLIQUE AQUI para ler matéria da Folha de hoje, contando que prefeitos começam a demitir médicos para contratar cubanos mais baratos. 

5 comentários:

Anônimo disse...

Já Jorge Pontual (jornalista da globo nos EUA), em depoimento de 5 minuotos disse o contrario.

Considerando que os jornalistas da Globo sempre falam mal do govenro lula/dilma, quando um fala bem, temos que considerar que este está certo, no minimo, serve como contraponto com o que diz Sardenberg.

Denny Doherty disse...

Caro Políbio:

As entidades não se estão opondo à entrada de médicos estrangeiros. O que desejam, e o que deveria desejar o governo, é que aquilo a ser oferecido à população tenha uma qualidade mínima. À parte problemas, digamos, filosóficos, como a medicalização (e a judicialização!) da vida, o interior profundo onde, dizem, atuarão os estrangeiros é a absoluta ausência de estrutura no manejo das doenças. Um profissional formado no Brasil (ou em outro país democrático) que numa daquelas localidades se disponha a atender, encontrará moléstias, agudas ou não, impondo transferência para centros maiores. Isso exacerbaria os problemas do governo, pois o arcabouço do SUS não suportaria o aumento da demanda. A mão-de-obra cubana, no entanto, sabe que em boca fechada não entram moscas e conhece o que é bom para a tosse. Ficará de bico calado, não fará encaminhamentos, ouvirá os pacientes (e seus familiares), segurará suas mãos enquanto morrem, bem como deseja o ministro…

Anônimo disse...

Ao anônimo das 11h39:

Por que no te callas, petralla?

Anônimo disse...

Petralha das 11h39:
Não fosse a globo (sic) e suas repetidoras essa gente de quem falas não duraria 1 semana onde está encarapitada.

Anônimo disse...

A globo é e sempre foi aliada do PSDB, vide o caso da Jornalista da empresa que supustamente teve um filho de FHC (devidamente registado) que foi escondida no exterior como correspondente da Empresa, para ninguém descobrir. Passados 20 anos, foi feito o DNA e provado que FHC não era o pai.

A pergunta que não quer calar: A Globo usou essa situação para se beneficiar? ops...