Dilma, governos e boa parte da mídia tentam criminalizar multidões que vão às ruas por mudanças

“Dilma promete ouvir a voz das ruas e coibir arruaças”, é a manchete deste sábado da Folha de S. Paulo. As capas da maior parte dos outros jornais de São Paulo, Rio e Brasília seguem no mesmo tom.

. Em Porto Alegre, os três diários principais preferiram dar ênfase única aos trechos em que Dilma Roussef condenou as violências e as arruaças.

. Nenhum dos jornais estampou fotos da presidente na TV.

. O jornal Zero Hora foi o diário que tratou com mais estardalhaço e volume de páginas (foram 17 no total, todo o primeiro caderno) o tema da violência e das arruaças, o que se deve ao fato de ter sido alvo escolhido em duas ocasiões diferentes, esta semana, para os ataques dos grupos minoritários mais agressivos que se postaram à frente das manifestações para depredar, assaltar e vandalizar. O prédio da RBS na avenida Ipiranga chegou a ser protegido por 200 brigadianos, quatro vezes mais soldados e oficiais do que o total destacado para proteger a prefeitura.

. Uma das colunas da página 8 do jornal foi entregue à veiculação de informações sobre as sucessivas tentativas feitas nos últimos dias pelo governador Tarso Genro para assumir algum tipo de protagonismo no caso. Suas intervenções caíram totalmente no vazio.

- A ênfase às violências e depredações vem sendo a tônica do noticiário, por razões óbvias, mas a mídia e as autoridades parecem esquecer que as enormes multidões que saem para as ruas, desprezam e combatem o vandalismo, ainda não se organizaram nas redes sociais e na rua para combatê-lo (no Rio e SP, as massas chegaram a expulsar oportunistas políticos que tentaram tomar conta das ações) mas apesar disto colocaram suas consignas por mudanças imediatas no modo de governar e falar com a sociedade brasileira. A ênfase concedida por Dilma aos casos de vandalismo, seguida por outras autoridades e pela mídia, é uma tentativa de criminalizar as ações de rua, pelo menos a partir do momento em que perderam protagonismo os grupos políticos provocadores minoritários ligados ao PT, ao próprio governo Dilma, e também ao PSOL, PSTU e seus satélites sindicais e ongueiros, que soltaram também os cães de guerra alojados em bolsões fascistas de renegados e desajustados sociais. 

11 comentários:

Anônimo disse...

Realmente há um feroz ataque as manifestações, mas quando o MST, índios, quilombolas, sindicalistas, professoras a cabresto e outros assemelhados, invadem, matam, estupram, queimam e destroem, aí é tudo normal, não é mesmo? Democracia é para todos e não somente para os amigos do rei, o mudinho da Rose!

Anônimo disse...


+++ Sr. Políbio:

Como explicar que há dois meses os indices de aceitação da Presidente Dilma tenham alcançado 81%? Simples. Efeito manada. Dentro do princípio que não existe opinião pública, que este termo tem uma definição ( e aí vale o modismo ) muito difuso, eu afirmo que o que realmente existe é OPINIÃO PUBLICADA. Opinião é mais ou menos como "efeito manada", ou seja, vou por ali porque todos estão indo.
Nunca poderemos nos olvidar que o cruel ditador romeno Nicolai Ceauşescu( aquele que tinha em sua mansão torneiras laminadas a ouro )numa eleição seis meses antes da sua queda e do seu merecido justiciamento, teve 98% dos votos. Diziam, à época, que os 98% se borravam de medo da ira do rei com o "absurdo" dos 2% de infiéis neoliberais.
Por fim, as gastanças da nossa Diva Dilma em seus deslocamentos não tem certa semelhança com as torneiras douradas do ditador romeno?
Abraços
J. Paulo / Taquari

Anônimo disse...

Os neo-nazista estão rindo sozinhos, unidos ao PSDB, DEMOs, PPS e organismos internacionais com interesse em desestabilizar economias em crescimento.

Esquecem que se a coisa apertar, aperta para todos.

Anônimo disse...

Essas hordas são composta de anarquistas/trotkystas, que fazem terror com os vandalismos. Ao subirem em direção à ZERO HORA vão quietos; não conseguindo vandalizar o prédio da empresa jornalística, devido ao bloqueio da PM, refluem para o centro arrebentando tudo, em revanche.
Vândalos, subversivos e jovens pequenos burgueses "constipés" eis o conteúdo dessas hordas pestíferas.

Anônimo disse...

Cadê o Carlos Sgarbi, sumiu tomou Doril!!!

Anônimo disse...

Achei que o casaco dela desbotou.

Anônimo disse...

É patética a tentativa de Rosane de Oliveira de descolar Tarso Genro como um dos alvos das manifestações. Seu passado, seus discursos, sua pratica ajudaram a fermentar os excessos que estão ocorrendo. No intimo deve estar gostando do que esta acontecendo.

NEWTON disse...

IMPORTANTE - URGENTE

Luis Inácio, já esta atordoado, do insucesso de localizar os lideres das manifestações que ocorrem no pais. Ele pede ajuda para que identifiquem os mesmos, uma vez que ele quer "NEGOCIAR", ele tem o quadragésimo ministério a oferecer, assim como 150 cargos CCs no 2º e 3º escalão do governo. Meu povo, quem quer realmente acabar com essas arruaças, por favor indiquem ao Luis Inácio os lideres, pois ele tem técnica, experiência e sabedoria infalíveis para lidar com eles. Se existir alguma dúvida quanto a habilidade do Luis Inácio para lidar com o contraditório, ouçam o que os pacificados ( CUT, MST, PMDB, PP, UNE, bom a lista é interminável ) tem a dizer sobre seus argumento$ conciliatório$

Anônimo disse...

Quando Lula diz querer negociar, leia-se comprar, subornar ou chantagear!

Anônimo disse...

Não entendo por que a dilma está pagando por tudo sòzinha quando o grande causador de tudo foi o seu guru lula.
lula plantou e a sua "laranja" está a colher.

mj













'

Surfista Prateado disse...

As manifestações tem que ser devidamente contidas, disciplinadas, porque senão acaba na BAGUNÇA e DESTRUIÇÃO que estamos vendo, porque sempre há a "tropa de assalto", organizada pelos esquerdistas justamente para vandalizar e ganhar visibilidade, assim como a massa de manobra, os ladrões que se juntam para roubar, mas que são um efeito calculado dos comunistas, que criam o clima para que isso aconteça e reforce o vandalismo planejado e executado por eles mesmos. Não se muda o país apenas protestando, como está se fazendo no Brasil, mas sim estudando mais e trabalhando, coisa que o brasileiro é muito, mas muito pouco interessado. Estudem mais, produzam mais, que o voto que proporciona o progresso acaba acontecendo naturalmente. Caso contrário, o voto que sai é aquele do tipo "dá muito trabalho me fazer na vida, vou dividir o que é dos outros, não importa o quanto estudaram e trabalharam para tê-lo, é 'injusto!'". O resultado é a POBREZA CUBANA.