José Padilha, O Globo - Ser escolhido ministro do Supremo não é mais honra, é mancha no currículo

O Mecanismo desvia recursos de municípios, dos estados e da União para políticos e empresários que prestam serviços ao estado. Todos os grandes partidos brasileiros fazem parte do Mecanismo. 

Ou seja, não escolhemos quem vai governar o país, escolhemos qual será o partido que vai comandar o Mecanismo a cada eleição.

Uma vez no poder, o partido ganhador promove o acerto de contas com os demais partidos do Mecanismo, de forma a garantir o controle das câmaras federais, estaduais e municipais.

Quanto mais representantes um partido elege, maior é seu quinhão de corrupção. A isso chamamos de loteamento de cargos.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

8 comentários:

Anônimo disse...

Excelente artigo, e demonstra que já vivemos uma nação a la venezuela.

Anônimo disse...

#Bolsonaro2018

Unknown disse...

O "Efeito Gilmar" contaminou completamente a credibilidade do STF!!!

Anônimo disse...

DISCORDO, o CURRÍCULO já ESTÁ MANCHADO e de vermelho!

Unknown disse...

Tem uma expressão popular que abarca este contexto: Merda no Ventilador!!!

Anônimo disse...

Com certeza. Somente quem interessa aos sujos políticos tem alguma chance. E ainda falam em "grande saber jurídico",os hipócritas.

Anônimo disse...

Excelente artigo, desnudando o sistema. Nossa democracia não existe, ou então está podre. O sistema eleitoral é feito para a perpetuação dos mesmos, impedindo o acesso de novos. Não por outro motivo, o grande número de políticos com denuncias criminais. Todos de uma forma ou de outra, se locupletam, direta ou indiretamente. As corporações capturaram o erário público, com o beneplácito dos políticos, que do voto delas, organizadas e ruidosas, depende. A midia tradicional, dependente das verbas publicitárias de quem detém mais de 40% do PIB, a tudo assiste conivente, quando não, até apoiando. Triste república essa.

Anônimo disse...

Ministro do STF e do STJ deveria ser exclusividade de juiz de carreira.
Hoje nomeiam advogados do partido, ministro de estado e outros amiguinhos.
E não é de hoje que esta barbaridade acontece. E ninguém faz nada.